Siga a folha

Descrição de chapéu Governo Trump

Autoridades dos EUA interceptam envelope com veneno endereçado à Casa Branca

Enviada possivelmente do Canadá, correspondência continha ricina, substância letal

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados Você atingiu o limite de
por mês.

Tenha acesso ilimitado: Assine ou Já é assinante? Faça login

São Paulo

Investigadores dos EUA interceptaram um envelope endereçado à Casa Branca que continha uma substância identificada como ricina, que é letal. A informação foi publicada pelo jornal The New York Times.

Não está claro em que momento antes de chegar à caixa postal da residência oficial do presidente dos EUA a correspondência foi interceptada, mas os investigadores afirmam acreditar que ela tenha sido enviada do Canadá, segundo uma fonte ouvida pelo jornal americano.

Fachada da Casa Branca, residência oficial do presidente dos EUA, em Washington - Liu Jie - 10.ago.20/Xinhua

A investigação agora tenta descobrir quem é o remetente e se outros envelopes foram enviados. A Casa Branca ainda não se pronunciou sobre o caso.

A ricina é um resquício da produção do óleo de mamona, usado principalmente na indústria química, e não há antídoto contra sua ingestão.

Esta não foi a primeira vez que correspondências contendo a substância foram endereçadas à Casa Branca. Em 2013, um morador do Mississippi enviou cartas evenenadas para o então presidente Barack Obama e para o senador republicano Roger Wicker, que representava o estado, em uma tentativa de incriminar um rival.

Os envelopes foram interceptados em um local de triagem do sistema postal, a 6 km da residência oficial em Washington.

Já em 2014, a atriz Shannon Richardson foi condenada a 18 anos de prisão por enviar cartas intoxicadas com a ricina para diferentes pessoas, inclusive Obama e Michael Bloomberg, então prefeito de Nova York.

A substância também já fez parte, em 2011, do plano de quatro homens no estado da Geórgia para intoxicar agentes federais e estaduais em cinco cidades diferentes —eles foram detidos e condenados à prisão. Naquele mesmo ano, autoridades americanas de contraterrorismo acompanhavam a possibilidade crescente de que a Al Qaeda usaria a ricina em ataques contra os EUA.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas