Siga a folha

Nova caricatura em jornal satírico francês acirra crise com Turquia

Presidente turco promete processar Charlie Hebdo por charge em que aparece levantando saia de mulher

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

1 ANO DE DESCONTO

3 meses por R$1,90

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas.
Apoie o jornalismo profissional.

Bruxelas

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, abriu uma nova frente de batalha com a França, agora contra o jornal satírico Charlie Hebdo.

O líder turco prometeu adotar "ações jurídicas e diplomáticas" contra a capa da publicação, em que ele aparece de cueca, levantando as vestes de uma mulher e descobrindo suas nádegas.

Já tensas há vários meses, as relações entre França e Turquia azedaram ainda mais após a morte do professor Samuel Paty, decapitado neste mês por ter mostrado aos alunos uma charge de Maomé, em aula sobre liberdade de expressão.

Retratar o profeta é banido por religiosos muçulmanos, e o Charlie Hebdo esteve envolvido em vários conflitos desde 2006, quando reproduziu charges do jornal dinamarquês Jyllands-Posten que haviam gerado ataques a embaixadas da Dinamarca em vários países islâmicos.

Manifestantes muçulmanos marcham contra o presidente da França, Emmanuel Macron, em Laore, no Paquistão - Arif Ali/AFP

O próprio jornal foi alvo de atentados em 2011, 2013 e 2015, quando 12 pessoas foram mortas em ataque terrorista.

Após a morte do professor Paty, Macron prometeu endurecer medidas para impedir a radicalização islâmica. Dias antes, ele havia anunciado um plano para evitar o que chamou de “separatismo islâmico” na França.

O presidente francês também declarou que seu país não abrirá mão do secularismo nem deixará de defender a liberdade de publicação de caricaturas, ainda que elas possam ofender um grupo da população.

A defesa da charge de Maomé havia levado Erdogan a dizer que o líder francês precisava de tratamento mental e a pedir um boicote a produtos franceses em seu país, na esteira de movimentos semelhantes em outras nações muçulmanas.

Já a reação contra as caricaturas de si mesmo se apoia em uma lei turca que considera crime “ofender o presidente”. Em um ano, 36 mil pessoas foram investigadas por insulto a Erdogan e 12 mil foram julgadas, entre as quais 308 crianças; 3.831 foram condenadas, segundo a agência de notícias turca BirGün.

Após a divulgação da capa da revista francesa, um porta-voz de Erdogan afirmou que o país “condena esse esforço mais nojento dessa publicação para espalhar seu racismo cultural e ódio".

Na terça (27), o líder turco já havia anunciado um processo contra o deputado holandês da ultradireita Geert Wilders, que publicou caricatura identificando o líder turco como terrorista.

Assim, Erdogan atraiu mais um governo para o conflito. O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, escreveu em rede social: "Tenho uma mensagem para o presidente Erdogan, e essa mensagem é simples: na Holanda, a liberdade de expressão é um dos nossos valores mais elevados".

Enquanto líderes europeus defendem a livre expressão, aumentam manifestações contra Macron e a França em países e regiões muçulmanas.

O presidente foi retratado como um demônio em jornal iraniano e teve imagens suas queimadas em Bangladesh. Houve protestos na Líbia, no Qatar, no Marrocos, na Argélia, no Kuwait, na Jordânia e na Índia.

No Egito, o presidente Abdul Fattah al-Sisi declarou que a expressão não deve ser livre quando ofende mais de 1,5 bilhão de pessoas no mundo, e um líder religioso pediu a criminalização de atos antimuçulmanos.

Os apelos por boicote de produtos franceses, que começaram no Oriente Médio durante este final se semana, chegaram à Malásia e à Indonésia. Macron foi acusado de incentivar o terrorismo pelo líder da Tchetchênia, região de maioria muçulmana na Rússia à qual era ligado o assassino de Paty.

“Você está empurrando as pessoas para o terrorismo, não deixando nenhuma escolha, criando as condições para o crescimento do extremismo na cabeça dos jovens. Você pode se considerar a inspiração do terrorismo em seu país”, escreveu Ramzan Kadyrov em rede social.

Já na Arábia Saudita, onde líderes religiosos haviam pedido boicote à rede francesa de supermercados Carrefour, o governo soltou um comunicado conciliador, declarando que “a liberdade de expressão e de cultura deve ser um farol de respeito, tolerância e paz, que rejeita práticas e atos que geram ódio, violência e extremismo”.

Ainda assim, o clima amplo de revolta levou o Ministério das Relações Exteriores da França a publicar um alerta para que cidadãos franceses tenham cautela em países como Turquia, Bangladesh, Iraque e Mauritânia, entre outros. “É recomendável exercer a maior vigilância, principalmente durante as viagens e nos locais frequentados por turistas ou comunidades de expatriados”, diz o texto.

O órgão afirma que surgiram em vários países “apelos generalizados para se manifestar contra a França, em termos às vezes odiosos, (...) que distorcem e instrumentalizam para fins políticos” declarações de Macron.

O governo diz que o programa do presidente francês contra o islamismo radical pretende contar com a participação dos muçulmanos da França, “que são parte integrante da sociedade francesa, da história e da República”.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas