Há 25 anos, 'NP' anunciou volta do Fusca

Pacto entre governo e Autolatina  recolocou carro na fábrica da Volks

Edgar Silva
São Paulo

O ano era 1993, e nem 40 dias se passaram da posse do então presidente Itamar Franco quando ele anunciou o retorno da fabricação do Fusca.

O lendário carro da Volkswagen, projetado por Ferdinand Porsche, cuja fabricação no Brasil foi de 1959 a 1986, seria retomada.

A volta do automóvel às linhas de montagem foi decidida entre Itamar e o então presidente da Autolatina, Pierre-Alein de Smedt. Durante a reunião foi assinado um protocolo de intenções em que o governo se comprometeu a eliminar as alíquotas de IPI e do Finsocial para o Fusca.

O presidente Itamar Franco dentro de um Fusca em visita a Autolatina - Eduardo Knapp - 23.ago.1993/Folhapress

 

A volta de um velho conhecido às ruas e às estradas do país dividiu opiniões. O "Notícias Populares" fez a seguinte pergunta: "O Fusca é bom?". Foi o suficiente para que anônimos e famosos expressassem diferentes opiniões.

O jornal ouviu também quem trabalhava nas ruas. Um deles, o taxista William Alves, declarou que "o Fusca é o único carro popular. É fácil de manter, gasta pouco e anda bem".

Já para o Wilson Fittipaldi era um desastre. "Há outra maneira de conseguir carro mais barato", resumiu.

Para Chico Serra, o Fusca não era tão ruim assim. "É um carro que nunca deixou ninguém na mão. É um bom negócio", definiu o ex-piloto de F-1 e tricampeão da Stock Car Brasil.

0
Reprodução de gráfico da página 2 do jornal Notícias Populares de 7 de fevereiro de 1993 - Folhapress

 

NEM TÃO POPULAR

O Brasil ainda tinha como moeda o cruzeiro (ainda viria o cruzeiro real e só depois o real) quando o acordo entre o governo e a Autolatina foi firmado.

Os tempos eram outros quando foi anunciado o fim da produção do Fusca, em agosto de 1986. E, após seis planos econômicos, era hora de fazer as contas e ver se valia a pena comprar um.

O 'NP' fez o cálculo para o consumidor, e o resultado assustou. O país não era o mesmo do Plano Cruzado (época em que a produção foi descontinuada), por isso mesmo era preciso saber se valia apostar num velho conhecido.

Em novembro de 1986 um Fusca custava US$ 3.325 e correspondia a 58 salários mínimos. Em janeiro de 1993, o valor mais do que dobrou e para adquirir um modelo novo (e sem IPI) o valor era US$ 6.850 ou 94 salários mínimos.

PAIXÃO

Apesar dos valores, o carrinho ainda despertava paixões. Como não poderia deixar de ser uma delas era justamente a do ex-presidente Itamar Franco.

No dia da publicação do retorno do Fusca, o "Notícias Populares" contou a história de Itamar, de uma ex-namorada e um desejo do presidente.

Ele namorou Lisle Lucena (filha do ex-senador Humberto Lucena) e em 1992 quis comprar dela um Fusca modelo 1981. A moça, porém, não quis vender.

O empresário Guilherme Afif Domingos (atualmente diretor-presidente do Sebrae nacional) não economizou elogios. "O Fusca é uma paixão. Na minha juventude, o sonho de carro era ele."

Fusca série Ouro, lançado em 1996, ano em que, pela segunda vez, o automóvel deixou de ser fabricado no Brasil - Divulgação

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.