Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/11/2012 - 05h00

Estudo faz mapa da expansão do Universo há 11 bilhões de anos

Publicidade

FRANCISCO FIGUEIREDO ZAIDEN
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Uma equipe de 63 cientistas, de nove países, divulgou nesta semana um estudo em que foi possível mapear o momento em que o Universo começou a diminuir sua velocidade de expansão, há 11 bilhões de anos.

Nessa época remota, ocorria justamente o inverso do que se vê hoje. No ano passado, físicos americanos ganharam o Nobel por descobrirem que a atual expansão do Universo é acelerada e acontece há cerca de 5 bilhões de anos, graças à atuação de uma força misteriosa conhecida como energia escura, que se sobrepõe à gravidade e faz as galáxias se repelirem.

A nova pesquisa dos astrônomos do Sloan Digital Sky Survey (projeto de mapeamento e captação de imagens do Universo) mostrou que, diferentemente de hoje, o crescimento do Cosmos começou a desacelerar 3 bilhões de anos após o Big Bang.

O motivo seria a influência da força gravitacional no comportamento e na densidade da matéria e da radiação, mantendo-as condensadas e obrigando-as a se separar lentamente.

"Se pensarmos no Universo como uma montanha russa, hoje estaríamos descendo uma ladeira, ganhando muita velocidade", comparou Matthew Pieri, astrônomo da Universidade de Portsmouth, Reino Unido, e um dos autores do estudo, em entrevista à agência de notícias Reuters.

"Nossa nova medição nos indica o tempo em que o Universo estava subindo a ladeira", completou.

A intenção dos cientistas é recolher mais dados para explicar o que ninguém sabe ainda: as razões que levaram à desaceleração inicial da expansão cósmica e, principalmente, a sua aceleração atual, muito forte se comparada ao que ocorreu no passado.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página