Humanos podem reconhecer 5.000 rostos em média

Participantes da pesquisa conseguiram identificar de 1.000 a 10 mil faces

Paris

Os humanos podem reconhecer cerca de 5.000 rostos em média entre familiares, amigos e pessoas fora do seu círculo, revela o primeiro estudo realizado sobre este tema. 

Durante grande parte da história, os humanos viveram em pequenos grupos de uma centena de indivíduos, uma situação que mudou de forma radical nos últimos séculos. 

Esculturas de rostos
Cada um dos participantes conseguiu se lembrar de entre 1.000 e 10 mil rostos. - Vincent Tullo/The New York Times

O estudo realizado por cientistas da Universidade Britânica de York revela que nossas capacidades de reconhecimento facial nos permitem distinguir diariamente milhares de rostos vistos em locais muito concorridos, nas telas dos nossos smartphones e nas TVs. 

"Em nosso dia a dia estamos acostumados a identificar amigos, colegas e famosos, assim como outras numerosas pessoas", mas "ninguém havia estabelecido o número de rostos que realmente identificamos", diz Rob Jenkins, do departamento de psicologia de York. 

Para a pesquisa, publicada na revista britânica Proceedings of the Royal Society, B, Jenkins e sua equipe pediram aos participantes que apontassem todos os rostos que recordavam em seu círculo privado. 

Em seguida, foi pedido que fizessem o mesmo com pessoas que pudessem identificar sem conhecê-las pessoalmente. 

Também foram apresentadas milhares de imagens de celebridades para o possível reconhecimento. 

Cada um dos participantes conseguiu se lembrar de entre 1.000 e 10 mil rostos. 

"Comprovamos que as pessoas conheciam, em média, cerca de 5.000 rostos", diz Jenkins. 

Para os cientistas, este estudo inédito poderá ajudar a desenvolver novos programas de reconhecimento facial, como os cada vez mais utilizados em aeroportos e investigações criminais. 

Também poderá permitir aos cientistas entender melhor os casos de identificação equivocada. 

AFP
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.