Currículo Lattes vai incluir períodos de licença maternidade e paternidade

CNPq vai oferecer preenchimento opcional para verificar impacto de filhos na carreira científica especialmente de mulheres

Phillippe Watanabe
São Paulo

​O currículo acadêmico Lattes vai permitir a inclusão da data de nascimento ou de adoção de filhos de pesquisadores após manifestações e estudos sobre o impacto da maternidade e paternidade na carreira de cientistas  —principalmente das mulheres. O dado ajudaria explicar uma queda na produtividade nesse período.

O CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), responsável pelo currículo ​Lattes, afirma que não há data exata para a mudança, mas ela dever estar disponível nos próximos meses.

 

As informações, que podem ser preenchidas tanto em currículos de mulheres quanto de homens, são opcionais e não estarão disponíveis ao público geral. A ideia inicial é que os dados sejam usados em estudos futuros sobre o impacto do nascimento e da adoção de filhos na produtividade de cientistas.

Fernanda Staniscuaski, coordenadora do Parent in Science, afirma que o sigilo do dado é relevante para as pesquisadoras não terem medo de informar a maternidade no currículo. "A primeira coisa que nos questionam é se não pode virar algo que prejudique caso as empresas tenham acesso. 'Ela é mãe, eu não quero." ​

Em 2018, partiu do movimento, que analisa a relação entre a maternidade e a ciência, a demanda para que a inclusão das informações de maternidade e paternidade entrasse no Lattes. A proposta foi apoiada por 34 entidades científicas, entre elas a SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) e a ABC (Academia Brasileira de Ciências).

Segundo um estudo do grupo, que ouviu 1.216 docentes (64 homens), quase metade (45%) afirma não ter tempo de trabalhar em casa, enquanto 21% só conseguem fazê-lo depois que os filhos estão dormindo. Quase 60% das entrevistadas avaliam que a maternidade teve impacto negativo em suas carreiras, e 56% dizem que não conseguem cumprir prazos.

Outro problema, aponta um estudo realizado pela Universidade de Barth, no Reino Unido, com 262 pesquisadores, incluindo mulheres com filhos pequenos, é que elas recebem menos investimento em suas linhas de pesquisa. Além disso, o número de citações de seus trabalhos em artigos cai, indicando perda de relevância.

De acordo com um trabalho da Universidade de Cornell publicado na revista American Scientist, o impacto é ainda mais intenso em áreas relacionadas às ciências exatas.

A preocupação de Staniscuaski agora é que os novos dados tenham um impacto real na vida das cientistas. "Não adianta colocar no Lattes se não tiver efeito", diz. "Precisa haver uma flexibilização na análise em editais."

Segundo a coordenadora do grupo, os editais de fomento costumam olhar a produção dos últimos cinco anos. Para ela, é necessário ampliar esse tempo, considerando que o impacto da maternidade pode durar até quatro anos.

"O ideal, nosso sonho de consumo, é que existam editais de financiamento para cientistas que têm filhos", afirma Staniscuaski, que salienta que é uma realidade difícil no contexto de cortes na ciência.

"O fomento a ações de promoção da equidade entre homens e mulheres na ciência e tecnologia é uma das principais exigências mundiais da área”, disse o CNPq, em nota. “Parte da discussão sobre implementação de políticas para fomento à participação de mulheres na C&T [ciência e tecnologia] é dirigida à atração de mulheres para a área; outra parte também importante é a mudança de determinados mecanismos de exclusão ou estagnação na carreira científica.”

A Folha tentou contato com o CNPq mas, até a publicação desta reportagem, não teve retorno.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.