Nasa vai abrir depósito de rochas lunares guardadas há quase 50 anos

O conteúdo foi salvo para quando a tecnologia permitisse aos cientistas mergulhar nos mistérios da Lua

Shannon Hall

A Nasa anunciou na segunda-feira (11) que ainda este ano vai trazer à tona pedacinhos da Lua nunca antes vistos.

Os astronautas das missões Apollo que pousaram na Lua entre 1969 e 1972 coletaram 382 quilos de rochas lunares, amostras centrais de rochas, pedrinhas, areia e poeira.

Muitas dessas amostras foram abertas mais tarde, em terra. Mas três delas permaneceram seladas há quase 50 anos.

O conteúdo foi salvo para um momento em que a tecnologia mais avançada permitisse aos cientistas planetários na Terra mergulhar mais fundo nos mistérios da Lua.

Rochas lunares trazidas por astronautas da Apolo 11
Rochas lunares trazidas por astronautas da Apolo 11 - Nasa/Reuters

No ano do cinquentenário do pouso da Apollo 11, e com as prioridades do programa espacial americano se voltando para um retorno à Lua, a Nasa decidiu que é hora de abrir as amostras. A agência selecionou nove equipes para fazer um estudo detalhado.

Charles Shearer, cientista da Universidade do Novo México, vinha pressionando a Nasa há dez anos para abrir os depósitos. “Vamos completar a aventura da Apollo após 50 anos”.

A cientista Darby Dyar, do Mount Holyoke College, concorda. Ela estudou amostras de rochas lunares pela primeira vez quando era universitária, em 1979. Agora e líder de uma das equipes selecionadas.

Ela e seus colegas vão vasculhar materiais das missões Apollo 15, 16 e 17 em busca de contas de vidro amarelas, laranjas e verdes do tamanho aproximado de um grão de sal. Essas contas se formaram quando as gotículas no interior de fontes de fogo atingiram a atmosfera lunar e esfriaram.

“Imagine uma pistola de água com lava”, disse Dyar. “Como são minúsculas, as gotículas esfriam imediatamente.”

As contas de vidro são um tesouro para os cientistas. Elas oferecem uma visão do interior da Lua e podem trazer respostas a perguntas fundamentais sobre a evolução de nossa vizinha mais próxima.

A história da Lua é um tema comum de muitos dos projetos selecionados. Kees Welten, cientista da Universidade da Califórnia em Berkeley, e sua equipe vão estudar uma amostra central colhida pelos astronautas da Apollo 17 para avaliar melhor a história de impactos da Lua. Isso poderá ser usado para inferir o que houve com outros planetas do sistema solar (incluindo a Terra) cujas crateras desapareceram há muito tempo.

Outras equipes vão se voltar para o futuro. A da astrônoma Jessica Barnes vai analisar, no Laboratório Lunar e Plentário da Universidade do Arizona, quatro rochas do ponto onde a Apollo 17 pousou.

Quimicamente, as amostras são muito semelhantes –mas uma delas foi resfriada para -20º C menos de um mês depois de chegar na Terra, sendo mantida nessa temperatura desde então.

Os cientistas não sabem ao certo se congelar as amostras é um método de armazenamento melhor do que mantê-las na temperatura ambiente dos laboratórios. Comparando-as, a equipe poderá analisar pela primeira vez a técnica de conservação congelada.

“Nunca pudemos fazer este tipo de estudo”, disse Barnes. “É uma chance de responder a uma pergunta importante para missões futuras.”

Clive Neal, cientista da Universidade de Notre Dame que trabalhará com Shearer em outra equipe, disse que devido aos preparativos para missões futuras à Lua, é importante abrir as amostras lunares agora.

“Já tínhamos a tecnologia necessária há dez anos, mas nos faltava  a motivação”, afirmou.

Tradução de Clara Allain

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.