Dinossauro brasileiro recém-descoberto andava como cavalo e tinha garras à la Velociraptor

Animal de 1,5 m de comprimento é o mais completo dino carnívoro a ser descoberto no Brasil até agora

Reinaldo José Lopes
São Carlos (SP)

Há 90 milhões de anos, as areias do vasto deserto que cobria o interior do Paraná eram patrulhadas por um predador pequeno e ágil que dilacerava suas presas com as afiadas garras de seus pés, tal como o famoso Velociraptor dos filmes hollywoodianos.

Batizado de Vespersaurus paranaensis, o animal de apenas 1,5 m de comprimento é, por enquanto, o mais completo dinossauro carnívoro a ser descoberto em território brasileiro. Além das lâminas nas patas, o caçador bípede tinha uma característica inusitada na hora de correr.

Tal como os cavalos, ele era funcionalmente monodáctilo —ou seja, apoiava todo o peso do corpo num único dedo dos pés. Não está totalmente claro se os demais dedos chegavam a tocar o chão quando o bicho se locomovia ou ficava de pé. Já seus membros superiores eram curtinhos —os braços tinham menos da metade do comprimento das pernas.  

A descrição formal da criatura, com todos os seus detalhes anatômicos e possíveis relações de parentesco evolutivo com outros dinossauros, acaba de ser publicada na revista especializada Scientific Reports.

Max Cardoso Langer, da USP de Ribeirão Preto, Neurides Martins e Paulo César Manzig (ambos do Museu de Paleontologia de Cruzeiro Do Oeste, no Paraná) e outros pesquisadores assinam o estudo. Segundo eles, o bicho pertence ao grupo   dos noassauríneos, que já tinha espécies registradas na Argentina e em Madagáscar. Não se trata, portanto, de um parente do Velociraptor, bicho do Extremo Oriente (Mongólia e China).  

Langer conversou com a Folha pouco antes de entrevista coletiva sobre a descoberta na Universidade Estadual de Maringá (instituição cujos pesquisadores também participaram do trabalho). Segundo ele, o animal provavelmente era um dos poucos predadores do deserto que existia ali no período Cretáceo, a fase final da Era dos Dinossauros.

“Apoiar a pata num único dedo é uma tendência comum em animais cursoriais, adaptados à corrida, como os cavalos modernos, e mesmo os que não são monodáctilos, como os antílopes e os cervos, apoiam menos dedos no solo. Mas, no caso dessa espécie, o interessante é a liberação dos demais dedos para as funções predatórias que isso propiciou”, explica o pesquisador da USP. 

Pouco conhecido dos paleontólogos até poucos anos atrás, o município de Cruzeiro do Oeste tem se mostrado promissor como fonte sobre o passado biológico do país. Além do novo dino, também já vieram de lá animais como um pterossauro (réptil voador) e um lagarto primitivo (tais criaturas podem ter feito parte do cardápio do dinossauro recém-descoberto).        

No entanto, décadas antes que os fósseis peculiares do V. paranaensis fossem analisados, já havia indicações de que um réptil com seu estilo de locomoção tivesse passado por lá. Nos anos 1970, o padre e paleontólogo italiano Giuseppe Leonardi havia registrado, nas rochas do oeste paranaense, estranhas pegadas que pareciam corresponder às de um dino pequeno, bípede e monodáctilo. O insight do sacerdote, que hoje é missionário na África, foi confirmado pelos novos achados.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.