Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Ex-ministros da Ciência lançam manifesto contra governo Bolsonaro

Pela quarta vez, titulares de gestões passadas se unem contra medidas do governo atual

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Rio de Janeiro

Dez ex-ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação se juntaram para mostrar que se opõem às medidas do governo de Jair Bolsonaro na área. "Vivemos hoje a maior das provações da nossa história", diz um manifesto assinado por eles nesta segunda (1º).

O documento, batizado de “A ciência brasileira em estado de alerta”, reuniu titulares da pasta nos últimos 30 anos, a maioria deles em governos do PT, e foi lançado no instituto de engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

"Agravam-se os cortes orçamentários drásticos que poderão levar a um retrocesso sem paralelo na história da ciência brasileira, área essencial e crítica, tanto ao desenvolvimento econômico e social quanto à soberania nacional", começa o texto de duas páginas.

Os ex-ministros da Ciência de Dilma e Lula, da esq. para a dir.: Marco Antonio Raupp, Aloízio Mercadante, Roberto Amaral, Clélio Campolina e Celso Pansera em encontro no Rio, onde anunciaram manifesto contra o governo Bolsonaro
Os ex-ministros da Ciência de Dilma e Lula, da esq. para a dir.: Marco Antonio Raupp, Aloízio Mercadante, Roberto Amaral, Clélio Campolina e Celso Pansera em encontro no Rio, onde anunciaram manifesto contra o governo Bolsonaro - Júlia Barbon/Folhapress

Eles apontam como exemplos da "maturidade da ciência nacional alcançada nos últimos anos" as tecnologias em exploração de petróleo em águas profundas, pesquisas no setor da agricultura, a construção de um acelerador de partículas de terceira geração e a produção de aviões, entre outros.

Concluem dizendo que não se pode "permitir a criação de condições que estimulem a evasão de nossos melhores cérebros" nem "a ausência de representantes da comunidade científica em comitês e conselhos governamentais".

Esta foi a quarta vez que titulares de ministérios de gestões passadas deram as mãos, em uma onda inédita de protestos contra medidas do governo Bolsonaro. Ex-ministros de três outras pastas já lançaram manifestos e fizeram atos públicos.

Em maio, sete ex-chefes da pasta do Meio Ambiente se reuniram na USP para criticar o que classificaram como desmonte das políticas ambientais no país. Em junho, também se sentaram à mesma mesa seis ex-ministros da Educação, contra a “perseguição ideológica” e os cortes de verbas na área.

 
No mesmo dia, 11 ex-titulares da Justiça e Segurança Pública escreveram um artigo publicado na Folha em defesa do controle de armas. E, nas próximas semanas, iniciativas semelhantes devem ocorrer com políticos que lideraram as pastas de Cultura e de Saúde desde a redemocratização.
 

DE COLLOR A DILMA

Entre os que assinam o manifesto da Ciência estão os ex-ministros Aloízio Mercadante (2011), Marco Antonio Raupp (2012 a 2014), Clélio Campolina (2014) e Celso Pansera (2015 e 2016), de Dilma Rousseff, além de Roberto Amaral, do governo Lula (2003). O fato de serem todos homens e brancos foi pontuado por uma aluna da plateia.

Também assinaram o documento, mas não participaram do evento de lançamento: Aldo Rebelo (Dilma, 2015), Sérgio Machado Rezende (Lula, 2003), Ronaldo Sardenberg (FHC, 1999 a 2003), Luiz Carlos Bresser-Pereira (FHC, 1999) e José Goldemberg (Collor, 1990 a 1992).

"É possível interromper a construção de uma estrada e retomá-la mais tarde, mas fazer isso com a ciência e tecnologia é uma péssima estratégia. Contingenciamentos ocorreram no passado, mas é preciso critério ao fazê-lo", escreveu Goldemberg em uma carta lida ao público.

O nome de Maria Emília Silva Ribeiro (Dilma, 2016) também foi divulgado como um dos que endossaria o texto, mas ela não pode ir à cerimônia e de última hora decidiu não ser incluída.

'CORTE EM CIMA DE CORTE'

Atualmente comandado pelo astronauta Marcos Pontes, o ministério da Ciência deve sofrer um contingenciamento de 42% de seu orçamento neste ano, o equivalente a R$ 2,1 bilhões, seguindo os cortes em diversas pastas anunciados em março pelo Ministério da Economia.

As universidades federais também tiveram 6.198 bolsas bloqueadas no mestrado, doutorado e pós-doutorado, de acordo com o cálculo do grupo de ex-ministros.

Os recursos para a ciência e tecnologia, no entanto, já vêm sendo enxugados desde 2013, sob o comando de alguns dos próprios autores do manifesto. Naquele ano, a pasta tinha R$ 9,5 bilhões, contra R$ 2,9 bi neste ano após os contingenciamentos.

Pontes chegou a tentar reverter o atual bloqueio junto à área econômica do governo, mas ainda não teve sucesso. "O problema é que nosso orçamento já estava baixo, é um corte em cima de corte", disse o ministro em abril. "A ciência e tecnologia não são gastos, mas investimento, isso tem que ficar claro. E as pesquisas não podem parar."

Na ocasião, ele ressaltou que a liberação seria imprescindível para a continuidade de três ações prioritárias da pasta: bolsas para pesquisadores, recursos para unidades de pesquisa e o prosseguimento do projeto Sirius, o acelerador de partículas brasileiro. 

Sem citar nominalmente o ministro nem Bolsonaro​, o documento assinado nesta segunda diz que não se pode "concordar com as recorrentes manifestações, por parte das autoridades do governo, que negam evidências científicas na definição de políticas públicas".
 

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.