Sonhos ajudam na construção cultural humana, diz neurocientista

Sonhar pode moldar o comportamento de uma pessoa em relação a um medo ou emoção

Medellín

A importância dos sonhos para a construção da cultura e da religião humanas, para o aprendizado e para a vida cotidiana. Esse foi o tema da mesa “A Ciência dos Sonhos”, no Festival Gabo, em Medellín (Colômbia), no qual debateram Fernanda Diamant, editora de ciência da revista Quatro Cinco Um e curadora da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), e o neurocientista Sidarta Ribeiro, autor do livro “O Oráculo da Noite” (Companhia das Letras).

Para Ribeiro, “nós não podemos ir contra algo que é parte de nossa cultura ancestral. Desde que existe escrita e história, os sonhos foram tidos como reveladores. Os antigos acreditavam e os indígenas de hoje acreditam que os sonhos podem conter verdades. Mas, em algum momento, nós abandonamos os sonhos. Nossa incapacidade de nos lembrar dos nossos sonhos é algo sintomático da nossa falta de perspectivas”.

Sidarta Ribeiro, durante a Flip 2019, em Paraty, no estado do Rio de Janeiro
Sidarta Ribeiro, durante a Flip 2019, em Paraty, no estado do Rio de Janeiro - Eduardo Anizelli/ Folhapress

Segundo os participantes da mesa, hoje os trabalhos de Sigmund Freud e Carl Jung sobre os sonhos vêm sendo corroborados pela ciência.

O neurocientista explicou que existem de quatro a cinco ciclos de sono e que há uma diferença entre o que se sonha durante a fase de ondas lentas, quando predominam as preocupações da vigília, e o momento chamado de REM (rapid eye movement). “Durante o sono REM, temos o sonho típico, que reativa memórias, mas não de modo aleatório. Elas seguem a direção oferecida por um sistema de busca pela recompensa e fuga da punição.”

Ribeiro usou o exemplo do impacto da história recente da Colômbia nas pessoas que sofreram os efeitos da guerra entre Estado e guerrilhas. “Quando uma pessoa passa por um estresse pós-traumático, como a guerra colombiana, toda vez que essa pessoa relaxa, ela evoca o trauma, e uma das consequências disso é o pesadelo repetido.”

Indagado sobre a possibilidade de sonhos preverem o futuro, Ribeiro afirmou que, durante o sono, as memórias e os perigos do passado “podem produzir a projeção de um futuro possível” e, então, determinar o comportamento de uma pessoa em relação a um medo ou emoção que sentiu antes.

Houve, também, críticas ao governo brasileiro e a seu comportamento com relação ao desmatamento da Amazônia. “Estamos vivendo um período de obscurantismo no Brasil, quando temos um presidente que é contra a ciência e a cultura”, disse Ribeiro.

Questionado sobre a importância dos sonhos com pessoas que já morreram, o cientista disse que “foi a saudades dos mortos que nos permitiu engrenar essa máquina de produzir cultura”. E exemplificou com a criação da religião.

“O impacto de um sonho que mexe com a vida e com a morte pode durar dias ou até anos para uma pessoa. Quando se compartilha a experiência de sonhar com alguém que já morreu, ao fazer conjecturas sobre onde podem estar nossos antepassados, o ser humano fez nascerem os deuses.”

Apesar de ser um cientista, Ribeiro diz ser um crítico da ciência. “Os cientistas erram, com seu ateísmo, ao recusar a existência da religião, que é tão importante para muita gente.”

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.