Brasil, enfim, inaugura nova base científica na Antártida

Reabertura da Estação Comandante Ferraz foi adiada para quarta (15) devido ao mau tempo

Antártida

Debaixo de neve, a nova base científica brasileira na Antártida foi, enfim, oficialmente inaugurada na noite desta quarta-feira (15), oito anos após o incêndio que a destruiu e deixou dois militares mortos e três anos depois do início das obras de reconstrução.

“O Brasil está de casa nova na Antártida, sejam todos bem-vindos”, disse o almirante Ilques Barbosa, comandante da Marinha do Brasil.

A cerimônia, que ocorreu um dia depois da data prevista porque os aviões com as autoridades não conseguiram pousar por falta de visibilidade, contou com a presença de 70 convidados, entre eles o vice-presidente Hamilton Mourão e os ministros Marcos Pontes (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações) e Fernando Azevedo e Silva (Defesa).

Para chegar à base, Mourão, os ministros e outros convidados saíram de Punta Arenas, no Chile, em um avião da FAB e pousaram no aeroporto da base antártica chilena, o mais próximo da base brasileira.

Um helicóptero com Mourão e os ministros decolou por volta das 15h em direção à estação, mas teve que retornar em seguida por conta da pouca visibilidade. Eles seguiram a viagem de navio, sob neve.

Do navio, os convidados foram transportados de helicóptero ao local da cerimônia. A estrutura montada tinha mais de 15 toneladas de material, trazido por dois navios da Marinha e um avião da FAB.

A empresa V3A, responsável pelo evento e contratada pela empresa chinesa que executou a obra, não informou o valor gasto na cerimônia, alegando cláusulas de confidencialidade do contrato.

“A ocasião é de júbilo, reconhecimento e homenagem. As novas instalações representam o avanço da presença do Brasil neste continente e um avanço qualitativo expresso no compromisso do governo federal com o desenvolvimento das atividades científicas ligadas às questões climáticas e ambientais”, disse Mourão em discurso.

“O momento é de reconhecimento da perseverança da Marinha e de instituições de ensino e pesquisas”, disse.

Mourão também afirmou que o momento era de homenagem a Antonio Carlos Rocha Campos, importante na implantação do Proantar (Programa Antártico Brasileiro) e único sul-americano a presidir o Comitê Científico de Pesquisas Antárticas (SCAR). Seu nome irá batizar a ala de laboratórios.

O vice-presidente também prestou homenagem "aos militares da Marinha do Brasil que morreram combatendo o incêndio que sinistrou a estacão em 2012. Sua bravura concedeu tempo e condições para que materiais e vidas se salvassem”.

Na cerimônia, o primeiro-tenente da Polícia Militar da Bahia Vinicius Figueiredo e a cabo da Marinha Aline Santos foram homenageados. Eles são filhos, respectivamente, do suboficial Carlos Alberto Figueiredo e do primeiro-sargento Roberto Lopes dos Santos. Aline se emocionou quando o hino nacional tocou.

O governo Bolsonaro vem tentando assumir a paternidade da obra. “Um grande projeto do governo Jair Bolsonaro”, tuitou Marcos Pontes na segunda (13). A reconstrução teve 90% do investimento, de quase US$ 100 milhões, vindos dos governos de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB) —tanto que a inauguração chegou a ser prevista para março de 2019.

Questionado sobre isso, Pontes desconversou: "São 38 anos de história construídos por aqui. O governo Jair Bolsonaro garante uma continuidade ao prosseguimento saudável e com sucesso desse projeto, então, é um projeto nosso, de todos os brasileiros."

Só R$ 2 milhões na compra de equipamentos para os laboratórios vieram do atual governo, por meio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

A cerimônia também teve o lançamento de um balão meteorológico pelo cientista Jefferson Simões. Os dados coletados estudarão a dinâmica da alta atmosfera na Antártida.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.