No centenário de Asimov, suas ideias nunca foram tão atuais

Escritor criou as três leis da robótica, que pautam discussões éticas até hoje

São Paulo

Não seria exagero dizer que ele foi um dos maiores escritores de ficção científica do século 20. Mas o que mais impressiona no legado de Isaac Asimov (1920-1992), no centenário de seu nascimento, é a presciência e a relevância.

Autor e editor de mais de 500 livros, muitos voltados para a divulgação científica, Asimov previu com notável precisão muitos dos elementos tecnológicos e sociais de nossa época, com décadas de antecedência. Além disso, usou de sua ficção para introduzir discussões éticas relevantes para nossos dias, e mais ainda para o futuro.

Nascido em Petrovichi, na Rússia, em algum dia entre 4 de outubro de 1919 e 2 de janeiro de 1920 (esta última data a adotada pelo próprio para seu aniversário), Asimov era filho de um casal de judeus russos que trabalhava em moinhos. A família mudou-se para os EUA em 1923. Nunca aprendeu russo.

Formou-se em química em 1939, depois de abandonar o curso de zoologia em protesto pela dissecção de um gato. Doutorou-se em química e tornou-se professor de bioquímica da Universidade de Boston em 1949. Mas sua maior paixão era pela escrita. Seu primeiro conto saiu em 1939.

Isaac Asimov escreveu e editou mais de 500 livros durante a vida, a maior parte voltada para divulgação científica 
Isaac Asimov escreveu e editou mais de 500 livros durante a vida, a maior parte voltada para divulgação científica  - Divulgação

Marcado pela presença da robótica em sua ficção (palavra que ele cunhou), sua maior contribuição ficcional para o mundo real talvez sejam as três leis da robótica, código de ética implantado em inteligências artificiais para impedir que os robôs prejudicassem os humanos. Apresentadas no conto “Runaround”, de 1942, elas dizem o seguinte:

Primeira Lei: um robô não pode ferir um humano ou permitir que um humano sofra algum mal; Segunda Lei: os robôs devem obedecer às ordens dos humanos, exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a primeira lei; Terceira Lei: um robô deve proteger sua própria existência, desde que não entre em conflito com as leis anteriores.

“Mesmo longe desse futuro vislumbrado por Asimov, as três leis da robótica são tidas como a base de um código de ética para qualquer máquina inteligente e autônoma que preste algum auxílio aos seres humanos”, diz Cassio Leandro Barbosa, astrônomo da FEI (Fundação Educacional Inaciana), em São Bernardo do Campo (SP).

“Eu diria que a primeira lei merecia discussões mais aprofundadas”, analisa Alexey Dodsworth, autor brasileiro de ficção científica e filósofo da ciência. “O que não falta na internet são robôs virtuais que induzem humanos a cometer erros. Isso quando não são esses mesmos robôs os responsáveis por ataques em massa e linchamentos a pessoas reais —basta ver o que acontece quando você decide criticar alguém poderoso que controla os robôs.”

Para Dodsworth, “ou seguimos as leis de Asimov, ou iremos nos destruir, e os robôs não terão culpa, já que os programamos sem os imperativos éticos propostos pelo escritor.”

De fato, organizações voltadas à inteligência artificial têm realizado reuniões para definir um código de ética para pesquisas no segmento, uma das potenciais ameaças existenciais que a humanidade enfrentará no século 21.

De forma marcante, a ficção científica de Asimov é quase totalmente livre de alienígenas. “Em mais de uma ocasião, Asimov foi acusado de ser excessivamente antropocêntrico em sua produção ficcional”, diz Dodsworth. “Talvez Asimov tenha feito uma aposta na perspectiva mais pessimista da equação de Drake, que pretende calcular a probabilidade de existência de vida inteligente na galáxia: seríamos apenas nós.”

Seu maior legado como autor é a série Fundação, um conjunto de livros que compilam contos ambientados num mesmo universo ficcional e retratam o futuro longínquo da espécie humana.

Durante os anos 1950 e 1960, Asimov dedicou boa parte do seu tempo a escrever livros de popularização da ciência, motivado em parte pelo lançamento do Sputnik, em 1957. “Fui tomado por um ardente desejo de escrever ciência popular para uma América que poderia estar em grande perigo por sua negligência com a ciência”, escreveu, em 1969.

Seus livros influenciaram gerações a se interessarem por ciência e entenderem que é com ela que se pode construir um futuro próspero.

A incompreensão da ciência que ele combateu em vida tornou sua morte um episódio nebuloso. Em 1977, Asimov teve um ataque cardíaco. Em 1983, foi submetido a uma cirurgia de tripla ponte de safena; com uma transfusão de sangue durante o procedimento, contraiu HIV.

Aconselhado pelos médicos a não revelar sua condição por conta do preconceito anti-Aids da época, que poderia se estender a seus familiares, ele jamais revelou o diagnóstico. Morreu em 6 de abril de 1992, por complicações causadas pelo vírus. Sua obra, contudo, permanece.

O futuro de Asimov

Em dois artigos, um de 1964 e outro de 1983, o escritor fez exercícios de futurologia sobre nossos dias. O primeiro, mais focado em tecnologias cotidianos, o segundo mais orientado ao futuro da humanidade e do planeta. E os acertos são tão dramáticos quanto os erros.

1964. Painéis eletroluminescentes forneceriam luz das paredes, em todas as cores

2019. A tecnologia até existe, mas o mais simples e econômico é usar LEDs para iluminar as paredes


1964. Máquinas tomarão cada vez mais o trabalho doméstico e comida congelada será lugar comum

2019. Na mosca! Asimov ainda indicou que, a despeito do avanço, robôs em casa ainda seriam raros e limitados


1964. Além do aumento da presença de painéis solares, haverá uma ou duas usinas elétricas baseadas em fusão nuclear

2019. Ainda não chegamos lá, mas os painéis solares estão por toda parte, e há projetos experimentais bilionários de fusão nuclear


1964. Veículos terrestres flutuarão, usando jatos de ar para se manter acima do solo e avançar por qualquer terreno. Esteiras servirão como calçadas

2019. Não rolou. Mas há os trens-bala, que usam campos magnéticos para flutuar e viajar mais depressa. E as esteiras são usadas em aeroportos


1964. Conversas em vídeo serão comuns, e será possível falar com alguém em qualquer lugar do planeta, via satélite

2019. Acertou em cheio, apesar de ele também mencionar conversas com colônias na Lua. E ele acerta ao dizer que Marte ainda não terá sido visitado por humanos, só sondas


1964. As televisões de tubo grosseiras serão substituídas por grandes painéis de parede. Aparelhos cúbicos oferecerão projeções em 3D

2019. Com as TVs, mais um acerto em cheio. A tecnologia de 3D também avançou, mas não na forma que ele imaginou


1964. A população atingirá 6,5 bilhões de pessoas em 2014 e a alimentação será um problema, exigindo cultivo de alimentos em laboratório

2019. Em 2014, a população era de 7,2 bilhões. Embora a agricultura tenha conseguido acompanhar a demanda, exigiu muitos avanços tecnológicos


1964. Apesar da proliferação de maravilhas tecnológicas, ela aumentará a desigualdade. Em termos relativos, quem estiver na base da sociedade terá andado para trás

2019. Embora bens de consumo sejam acessíveis a boa parte da população, a desigualdade de fato está numa tendência de alta


1964. O ócio crescerá com o avanço das máquinas, e o tédio dominará boa parte da sociedade, com consequências mentais, emocionais e sociológicas sérias

2019. Ainda não estamos lá, mas há sinais de que isso está se aprofundando, com o crescimento do desemprego estrutural em todo o mundo


1983. Não terá havido guerra nuclear. Se houve, qualquer outra previsão se torna perda de tempo

2019. Asimov acertou nessa. A humanidade ainda não cometeu a insanidade de travar uma guerra com armas nucleares. Na verdade, vivemos a época mais pacífica de toda a história


1983. A computadorização continuará avançando. Muitos empregos serão perdidos, mas outros serão criados. Haverá uma fase difícil de adaptação, mas em 2019 já estará superada

2019. Uma análise do mercado de trabalho diz que estamos bem no meio desse processo, na verdade. Basta ver a controvérsia para extinguir a função de cobrador de ônibus, por exemplo


1983. Com políticas de estímulo a controle de natalidade, espera-se que a população global atinja um nível estável por volta de 2019

2019. As populações ainda estão crescendo, e a ONU espera que cheguemos a 10 bilhões de habitantes em 2050


1983. A irresponsabilidade humana com questões ambientais ficará abundantemente clara e, em 2019, avanços tecnológicos permitirão reverter a deterioração

2019. A primeira parte está correta: toda a população informada sabe que estamos numa rota de devastação ambiental e climática. Mas, em termos de ação, deixamos a desejar


1983. Em 2019, estaremos de volta à Lua, a colonização do espaço avançará e eventualmente levaremos nossas indústrias ao espaço

2019. Há quem, entre governos e empreendedores, já trabalhe para começar esse movimento, mas estamos um bocadinho atrasados, pelo cronograma de Asimov

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.