Descrição de chapéu The New York Times

Morre, aos 101, Katherine Johnson, uma das matemáticas por trás do sucesso da Apollo 11

História foi retratada no filme "Estrelas Além do Tempo", de 2016

Margalit Fox
Nova York | The New York Times

Eles pediram a lua para Katherine Johnson, e ela deu a eles.

Com pouco mais de um lápis, uma régua de cálculo e uma das melhores mentes matemáticas do país, Johnson, cuja morte aos 101 anos foi anunciada na segunda (24) pela Nasa, calculou as trajetórias precisas que permitiriam à Apollo 11 pousar na lua em 1969 e, após o passeio lunar de Neil Armstrong, permitir seu retorno à Terra.

Um único erro, ela sabia, poderia ter consequências terríveis para a nave e a especialmente para a tripulação. Seus cálculos impecáveis ​​já haviam ajudado a planejar o voo bem-sucedido de Alan B. Shepard Jr., que se tornou o primeiro americano no espaço, a bordo da espaçonave Mercury, em 1961.

No ano seguinte, ela também ajudou a tornar possível que John Glenn, na Mercury Friendship 7, se tornasse o primeiro americano a orbitar a Terra.

No entanto, ao longo dos 33 anos de Johnson na Divisão de Pesquisa de Vôo da Nasa —o escritório do qual o programa espacial americano surgiu— e durante décadas depois, quase ninguém sabia o nome dela.

Katherine Johnson, retratada no filme "Estrelas Além do Tempo" e cujos cálculos ajudaram a levar o homem à Lua - Nasa

Johnson era uma das centenas de mulheres com educação rigorosa, de capacidade ímpar e ainda assim sem grande notoriedade que, muito antes do movimento feminista moderno, trabalhavam como matemáticas da Nasa.

Mas não foi apenas o sexo que a manteve muito marginalizada e muito ignorada: Katherine Coleman Goble Johnson, uma nativa da Virgínia Ocidental que iniciou sua carreira científica na era de Jim Crow, também era afro-americana.

Na velhice, Johnson tornou-se a mais famosa do pequeno grupo de mulheres negras —talvez três dúzias—que, no meio do século, serviram como matemáticas para a agência espacial e seu antecessor, o Comitê Consultivo Nacional de Aeronáutica.

A história foi contada no filme de Hollywood de 2016 "Estrelas Além do Tempo" ("Hidden Figures", no título original), baseado no livro de não ficção de Margot Lee Shetterly com o mesmo título, publicado naquele ano. O filme estrelou Taraji P. Henson como Johnson, a figura central do filme. Também estrelou Octavia Spencer e Janelle Monáe como suas colegas da vida real Dorothy Vaughan e Mary Jackson.

Em janeiro de 2017, “Hidden Figures” recebeu o Screen Actors Guild Award por excelente desempenho de um elenco em um filme.

O filme foi indicado a três Oscars, incluindo melhor filme. Embora não tenha vencido, Johnson, de 98 anos e meio, foi aplaudida de pé quando apareceu no palco com o elenco na cerimônia do Oscar.

Das mulheres negras em foco no filme, Johnson era a única que ainda vivia na época de seu lançamento.

Em 2015, o presidente Barack Obama concedeu-lhe a Medalha Presidencial da Liberdade, proclamando: "Katherine G. Johnson se recusou a ser limitada pelas expectativas da sociedade em relação a seu gênero e raça, ao expandir os limites do alcance da humanidade".

Em 2017, a Nasa dedicou um edifício em sua homenagem, o Centro de Pesquisa Computacional Katherine G. Johnson, em seu Centro de Pesquisa Langley em Hampton, Va.

Naquele ano, o Washington Post descreveu-a como “o mais destacado dos computadores” - “computadora” era o termo usado originalmente para designar a Johnson e suas colegas.

Ela "ajudou nossa nação a ampliar as fronteiras do espaço", disse o administrador da Nasa, Jim Bridenstine, em comunicado, "enquanto fazia grandes progressos que também abriram portas para mulheres e pessoas de cor na busca humana universal de explorar o espaço.”

Como a própria Johnson gostava de dizer, seu mandato em Langley - de 1953 até sua aposentadoria em 1986 —foi "uma época em que os computadores usavam saias".

Por alguns anos, em meados do século, as mulheres negras que trabalhavam como "computadores" foram submetidas a uma dupla segregação: destinadas a escritórios, refeitórios e banheiros separados, foram mantidas separadas do grupo muito maior de mulheres brancas que também trabalhavam como matemáticas da Nasa . As mulheres brancas, por sua vez, foram segregadas dos matemáticos e engenheiros da agência.

Mas com o tempo, o trabalho de Johnson e suas colegas —inúmeros cálculos feitos principalmente à mão, usando réguas de cálculo, papel milimetrado e máquinas de calcular barulhentas— conquistou um nível de aceitação que, na maioria das vezes, transcendeu as barreiras raciais.

"A Nasa era uma organização muito profissional", disse Johnson ao The Observer de Fayetteville, Carolina do Norte, em 2010. "Eles não tinham tempo para se preocupar com a cor que eu era."

"Nem eu", disse ela.

"Não tenho um sentimento de inferioridade", disse Johnson em pelo menos uma ocasião. "Nunca tive. Sou tão boa quanto qualquer um, mas não melhor."

Até o final de sua vida, a Sra. Johnson desvalorizou os elogios por seu papel em enviar astronautas ao espaço, mantendo-os no curso e trazendo-os a salvo para casa.

"Eu estava apenas fazendo meu trabalho", Shetterly ouviu-a dizer repetidamente durante a pesquisa de seu livro.

Mas o trabalho foi feito por uma mulher  "quando era mais provável que ela morresse antes dos 35 anos do que terminasse o ensino médio", escreveu Shetterly.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.