Plataforma que une jornalistas e pesquisas inéditas do Brasil é lançada

Site permite que jornalistas tenham acesso a estudos de cientistas do mundo inteiro e a publicações de renome

São Paulo

Uma plataforma que unirá jornalistas e pesquisadores brasileiros será lançada nesta quarta-feira (12). A Agência Bori, batizada em homenagem a Carolina Bori, primeira presidente mulher da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), foi criada pelas jornalistas Ana Paula Morales e Sabine Righetti com apoio do Instituto Serrapilheira.

O projeto foi escolhido, em 2018, no 1º Camp Serrapilheira, programa de divulgação científica do Serrapilheira, e recebeu R$ 100 mil para a iniciativa. 

A Bori é inspirada no EurekAlert!, site que permite que jornalistas tenham acesso a estudos de cientistas do mundo inteiro e a publicações de renome como Science, Cell e Lancet. Da mesma forma como acontece lá, alguns artigos estarão sob embargo, ou seja, disponíveis antes de serem publicados em seus respectivos periódicos científicos. Caso as regras de embargo sejam desrespeitadas, o jornalista perderá acesso temporariamente à Bori.

 

Jornalistas, instituições de pesquisa e cientistas já podem se cadastrar na plataforma brasileira, que vai oferecer também um texto explicativo sobre o artigo científico, imagens de divulgação e contatos de porta-vozes.

O objetivo, segundo as idealizadoras, é aumentar a visibilidade da ciência produzida no país e fazer com que os artigos cheguem aos jornalistas e ao público. O material produzido não interessará apenas jornalistas de ciência, já que haverá artigos científicos sobre economia, política, agropecuária e outros temas. 

O lançamento será aberto ao público no auditório do Instituto de Física Teórica da Unesp, em São Paulo. Haverá duas mesas de debate: uma sobre jornalismo científico e outra sobre a presença de mulheres na ciência. Da primeira, além das representantes da Bori, participam Marcelo Viana, diretor-geral do Impa (Instituto de Matemática Pura e Aplicada) e colunista da Folha, Abel Packer, diretor do Programa SciELO/Fapesp, e Mariana Versolato, editora de Ciência e Saúde da Folha

Na mesma data será lançado um levantamento sobre mulheres na ciência do projeto Open Box da Ciência, também realizado com apoio do Serrapilheira. A iniciativa mapeou 250 mulheres das áreas de ciências sociais aplicadas, ciências exatas e da terra, engenharias, ciências biológicas e ciências da saúde. Os artigos e os perfis das pesquisadoras estão reunidos em uma plataforma digital, de conteúdo aberto e interativo, com visualizações de dados e reportagens que narram suas trajetórias. A coordenação é de Giulliana Bianconi.

A segunda mesa de debate terá as presenças da bioquímica Helena Carla Castro, da Universidade Federal Fluminense (UFF), a física Sandra dos Santos Padula, a jornalista Vitória Régia da Silva, da organização de mídia Gênero e Número, e a cientista de dados Natália Leão, responsável pela pesquisa e metodologia do projeto.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.