Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
29/07/2010 - 14h46

Paleontólogos unem espécies diferentes de dino em uma só

Publicidade

GRAHAM LAWTON
DA NEW SCIENTIST

Cientistas descobriram dinossauros metamorfos. Seus crânios passavam por mudanças extremas durante suas vidas, ficando maiores, produzindo chifres e depois os reabsorvendo, e mudando suas formas tão radicalmente que diferentes estágios pareceriam para nós diferentes espécies.

Esta descoberta vem de um estudo sobre o famoso dinossauro triceratops e seu primo próximo torossauro.

Seus crânios são significativamente diferentes, mas são na verdade da mesma espécie, argumentam John Scannella e Jack Horner, do Museum of the Rockies, em Bozeman, Montana.

Wikimedia Commons
Triceratops, que era na verdade uma forma diferente e mais jovem do "torossauro"
Triceratops, que era na verdade uma forma diferente e mais jovem do "torossauro"

Triceratops tinham três chifres faciais e um pequeno e grosso envolvendo o pescoço.

Torossauros também tinham três chifres, mas em ângulos diferentes, e um chifre também envolvendo o pescoço, porém bem mais longo e fino, com dois grandes orifícios.

Assim, não é surpreendente que Othniel Marsh, que descobriu os dois no fim do século 19, considerou que fossem espécies diferentes.

Agora, Scannella e Horner dizem que o triceratops é simplesmente a forma jovem do torossauro.

Conforme o animal envelhecia, seus chifres mudavam de formato e ângulo, e sua "coleira" ficava mais comprida, fina e menos serrada.

Esta radical transformação era possível porque o tecido do osso na coleira e chifres permaneciam imaturos, esponjosos e cheios de vasos sanguíneos, nunca totalmente endurecidos.

Isso é diferente do que ocorre com a maioria dos animais durante o início da vida adulta.

A metamorfose continuava ao longo das vidas dos dinossauros, diz Scanella. "Mesmo na fase mais madura destes animais que nós examinamos, há evidência de que o crânio ainda estava passando por dramáticas transformações na hora da morte".

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página