Alvaro Costa e Silva

Jornalista, atuou como repórter e editor. É autor de "Dicionário Amoroso do Rio de Janeiro".

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Alvaro Costa e Silva

Bolsonaros provam do próprio veneno com a 'PEC das Praias'

Indignação e treta nas redes jogaram areia na proposta

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Na década de 1970, auge da especulação imobiliária na zona sul carioca e nas orlas de São Conrado e Barra da Tijuca, os cartunistas exploraram a situação olhando o futuro: praias cercadas e com roletas antes das quais o banhista tinha de pagar para ter direito a se bronzear, relaxar embaixo da barraca, dar um tchibum ou apenas molhar os pés.

Em 2013 a previsão se confirmou. Dentro do Forte de Copacabana, uma faixa de areia com 70 metros de extensão tornou-se território exclusivo, um clube de luxo para 500 felizardos que se dispunham a desembolsar uma fortuna e usufruir de camarotes, salão de beleza, banheiras de hidromassagem, apresentação de DJs, serviço de mordomo, equipe médica e segurança reforçada. "Nem em Paris os garçons entendem tanto de bebida. Posso bebericar uma taça de Veuve Clicquot e fazer escova no cabelo após mergulhar", elogiavam as frequentadoras.

A farra vip durou um verão. Acabou quando o Exército, pressionado pelo Ministério Público e o instrumento legal que protege "o livre acesso às praias e às águas públicas", cancelou o contrato com a empresa que explorava o espaço. A patuleia o apelidou de "praia dos riquinhos".

Tão discutida nos últimos dias, a PEC relatada pelo senador Flávio Bolsonaro incentiva a criação dos beach clubs. Alguns já operam no país sem impedimento, em Florianópolis e no litoral do Nordeste. É um sonho do ex-presidente Bolsonaro. Transformar lugares como Angra dos Reis em réplicas da Cancún mexicana, quem sabe com o acréscimo de cassinos. Um paraíso para lavar dinheiro.

Aprovado com facilidade na Câmara em 2022, o controle das praias hoje é motivo de indignação nas redes e combustível para tretas entre celebridades e ex-jogadores de futebol que viraram empresários. Depois de provar do próprio veneno, Flávio disfarça, prometendo mexer no texto da proposta. Como quem anda dando pulinhos na areia quente.

O Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro - Eduardo Anizelli/Folhapress

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar sete acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.