Painel

Editado por Guilherme Seto (interino), espaço traz notícias e bastidores da política. Com Catarina Scortecci e Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel
Descrição de chapéu Eleições 2020

Disputa entre Covas e Boulos deixa bolsonaristas sem opção em SP, e candidatos descartam acenos

Apoiadores do presidente atacam Doria, padrinho de Covas, e veem Boulos como extrema-esquerda

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Em São Paulo, o fracasso de Celso Russomanno (Republicanos) deve ganhar contornos dramáticos para apoiadores do presidente. Eles dizem que Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL) são, na visão deles, as piores opções dentre as colocadas e que não há chances de apoiar qualquer um deles.

De um lado, os bolsonaristas vivem em antagonismo radical com João Doria (PSDB), padrinho político de Covas que alimenta disputa com Bolsonaro de olho em 2022. De outro, têm profundas divergências ideológicas com Boulos.

O presidente e Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) costumam associar o PSOL à facada sofrida pelo então candidato em Juiz de Fora em 2018. Adélio Bispo, o autor, foi filiado ao PSOL, mas nunca existiu qualquer indício de relação do partido com o ataque.

"Não existe nada pior que um tucano motivado em SP", diz o deputado Gil Diniz (sem partido). Ele diz que apoiaria Márcio França (PSB) ou Arthur do Val (Patriota) contra qualquer um dos dois.

Retrato do deputado estadual Gil Diniz (PSL-SP), conhecido como Carteiro Reaça, feito na Alesp
Retrato do deputado estadual Gil Diniz (PSL-SP), conhecido como Carteiro Reaça, feito na Alesp - Bruno Santos-18.fev.2019/Folhapress

"Lamentável, surreal, preocupante. Como presidente do Movimento Conservador, farei oposição a qualquer um dos dois", diz Edson Salomão (PRTB), funcionário do gabinete de Douglas Garcia (PTB). Ele se candidatou a vereador em São Paulo, mas não foi eleito.

"Desenha-se um cenário em que teremos que escolher entre a esquerda e a extrema esquerda", afirmou Garcia em live de Salomão.

Bruno Covas disse ao Painel que não foi um bom negócio para o presidente se meter na eleição da capital paulista. "Porque ele [Bolsonaro] só fez o candidato dele afundar", afirmou o tucano, referindo-se a Russomanno. "Vamos atrás de todos os votos. O cenário do segundo turno é ponderação contra radicalismo", completou.

LINK PRESENTE: Gostou desta coluna? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.