Painel

Editado por Guilherme Seto (interino), espaço traz notícias e bastidores da política. Com Catarina Scortecci e Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel

Líderes de oposição rejeitam sugestão de Lira de discutir semipresidencialismo no Brasil para 2026

Eles afirmam que não é o momento de fazer a discussão e criticam presidente da Câmara

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Líderes de oposição rejeitam a sugestão de Arthur Lira (PP-AL) de discutir a implementação do semipresidencialismo ou parlamentarismo a partir de 2026. O presidente da Câmara disse em entrevista à CNN que a mudança seria necessária para acabar com a instabilidade no país.

“O povo já decidiu pelo presidencialismo no plebiscito de 1993. Não faz sentido tirar dos brasileiros uma decisão que a Constituição de 1988 colocou nas mãos do povo. Fazer isso no Congresso, sem um novo plebisicto, e um ano antes da eleição, é, no mínimo, casuísmo”, diz Alessandro Molon (PSB-RJ), líder da oposição na Câmara.

"Sei que, a princípio, a ideia é discutir algo para 2026. Mas conheço processo legislativo: a gente sabe como começa, mas não como termina. Quem disse que amanhã ou depois alguma emenda antecipando pra 2023 não é aprovada? Não me parece que seja o momento para se discutir isso", completa.

“Antes a gente precisa sair da Idade Média em que estamos. Vamos superar as trevas atuais, garantir a democracia. Depois podemos debater o tema”, diz Marcelo Freixo (PSB-RJ), líder da minoria.

Bohn Gass (RS), líder do PT, diz que a instabilidade é gerada quando uma presidente, Dilma Rousseff, é tirada do poder sem ter cometido crime, enquanto Lira barra o impeachment de Bolsonaro, que já incorreu em vários.

O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), líder da oposição na Câmara
O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), líder da oposição na Câmara - Pedro Ladeira-12.jul.2019/Folhapress

"A anormalidade e a insegurança política foram provocadas justamente por aqueles que, quando não havia crime, criaram instabilidade. Agora que há crime, não querem levar adiante. O problema não é mudar de regime. O problema é, no regime que existe, cumprir o que está na lei. Não fazer isso que é gerar instabilidade", afirma Bohn Gass.

Talíria Petrone (RJ), líder do PSOL, afirma que Lira, "bastião do bolsonarismo", não tem condições, "por sua cumplicidade com o Planalto", de conduzir mudanças estruturais no regime político brasileiro.

"Mudanças desse tipo necessitam de um amplo e cuidadoso debate, o que até aqui, por seu método truculento e apressado, não parecem ser valores respeitados por Lira", diz Talíria.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.