Painel

Editado por Guilherme Seto (interino), espaço traz notícias e bastidores da política. Com Catarina Scortecci e Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel

Ministério da Justiça terá observatório sobre violência política de gênero

Medida foi anunciada por Flávio Dino em reunião com a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Em reunião com a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL) nesta quarta-feira (15), o ministro da Justiça, Flávio Dino, disse que vai criar um observatório em sua pasta que terá como objetivo acompanhar ações relacionadas a violência política de gênero em Ministérios Públicos Estaduais, delegacias, defensorias e partidos políticos.

A violência política de gênero é caracterizada pelo ataque direcionado a mulheres com atuação pública. Como mostrou o Painel, Sâmia voltou a sofrer ameaças de morte com conteúdo misógino nas últimas semanas.

Flavio Dino, ministro da Justiça do governo Lula (PT), durante entrevista à Folha
Flavio Dino, ministro da Justiça do governo Lula (PT), durante entrevista à Folha - Pedro Ladeira-14.dez.2022/Folhapress

Além do observatório, Dino também falou na criação de inquérito na Polícia Federal que unifique os casos exemplares de violência política, como o de Sâmia, desenvolvendo assim uma linha de investigação dentro da instituição. O ministro disse que montará uma equipe dedicada ao tema.

O ministro também se comprometeu a pedir junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) a liberação para que os partidos possam usar parte de seus recursos do fundo partidário para garantir a segurança de parlamentares com itens como blindagem de carros ou a contratação de uma equipe de profissionais especializados.

As investigações a respeito do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), que completou cinco anos nesta semana, também foram abordadas no encontro. O ministro disse que há esforços por parte da PF para acompanhar o inquérito em curso no Rio de Janeiro e também para trazer novos elementos de inteligência para elucidação do caso.

Os executores do crime ainda não foram julgados, e até hoje não houve conclusão sobre a existência ou não de um mandante.

Sâmia Bomfim durante ato em memória de Marcelo Arruda, em São Paulo
Sâmia Bomfim durante ato em memória de Marcelo Arruda, em São Paulo - Zanone Fraissat-17.jul.2022/Folhapress

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.