Painel

Editado por Fábio Zanini, espaço traz notícias e bastidores da política. Com Guilherme Seto e Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel
Descrição de chapéu Congresso Nacional

PEC que pode privatizar áreas da União no litoral teve apoio de PCdoB e PDT na Câmara

Parlamentares usaram argumento de que proposta regulariza áreas de comunidades, similar ao de Flávio Bolsonaro

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

Aprovada na Câmara em fevereiro de 2022, a PEC (proposta de emenda à Constituição) que pode privatizar áreas da União no litoral brasileiro teve baixíssima resistência entre os deputados e obteve apoio inclusive de partidos de esquerda como PDT e PC do B.

Para ser aprovada, a PEC precisava de ao menos 308 votos em dois turnos —o placar foi de 377 a favor e 93 contrários no primeiro e 389 a favor e 91 contrários no segundo.

Sessão do Congresso Nacional no plenário da Câmara dos Deputados
Sessão do Congresso Nacional no plenário da Câmara dos Deputados - Pedro Ladeira/Folhapress

Na votação em primeiro turno, PT e governo Bolsonaro tiveram alinhamento raro ao orientar o voto contrário, assim como PSOL, PSB e Rede. Todos os demais partidos, incluindo PC do B e PDT, foram favoráveis à proposta que transfere terrenos de marinha em áreas urbanas da União para estados e municípios ou para proprietários privados.

No caso do PC do B, dos sete deputados que votaram, só uma, a ex-deputada Perpétua Almeida (AC), foi contra nos dois turnos. No PDT, dos 22 só dois foram contrários ao texto também nos dois turnos.

O PSOL e a Rede foram os dois únicos partidos em que todos os parlamentares votaram contra o texto. No PT, a grande maioria foi contrária —houve uma abstenção e quatro votos favoráveis no primeiro turno e três votos favoráveis no segundo.

Durante a discussão, o deputado Nilto Tatto (PT-SP) e a deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP) destacaram que o projeto poderia gerar privatização das praias e aumentaria a especulação imobiliária.

No entanto, alguns deputados de oposição na época usaram argumento parecido com o utilizado atualmente pelo senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), relator do texto na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado: o de que a PEC permite regularizar propriedades em comunidades carentes.

Senador Flávio Bolsonaro (PL) durante entrevista à Folha em seu gabinete
Senador Flávio Bolsonaro (PL) durante entrevista à Folha em seu gabinete - Pedro Ladeira-15.mar.2023/Folhapress

Daniel Almeida (PCdoB-BA), na votação da PEC na Câmara, afirmou que era preciso "criar algum mecanismo de reconhecimento, de regularização e inclusive de proteção dessas áreas, das pessoas, das atividades que estão sendo exercidas ali."

"Muitas das vezes, pessoas que são vulneráveis e vivem em habitações populares, não tendo alternativa, tiveram que se fixar ali. Por essa razão, a matéria se justifica", afirmou.

No caso do PDT, o argumento usado foi a cobrança do laudêmio, taxa de 5% paga à União sobre a transferências de domínio e que foi vedada na PEC aprovada na Câmara.

"O brasileiro que mora nas proximidades da costa litorânea já pagou mais do que podia, mais do que devia", criticou o deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS).

"Já não se aguenta mais pagar essas taxas, esses impostos. Então, é preciso que demos a quem tem essas áreas consolidadas o direito ao seu patrimônio, à sua propriedade, em vez de fazer essas pessoas pagarem um imposto injusto e indevido, que não leva a lugar nenhum."

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar sete acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.