Saiba como sobreviver à ceia de Natal sendo vegetariano

Veja também receita de moranga com creme de pupunha para a ceia

São Paulo

Na noite de Natal, toda a família se reúne ao redor da mesa. Aquele tio que conta a piada do pavê, os seus primos de décimo terceiro grau que você se esforça para lembrar o nome e a tia-avó beata. Todos prontos para te encher de perguntas e piadas quando você revela que é vegetariano.

Mal sabem eles que você, além de ter uma alimentação saudável, contribui para a salvação do planeta de um colapso ambiental e, de quebra, demonstra alguma compaixão por outros seres vivos. 

Mas talvez contar tudo isso aos berros para sua tia do outro lado da mesa não seja bom para o clima familiar natalino. O grande segredo para sobreviver a uma noite de natal carnívora é pegar leve. Confira cinco dicas.

Sem textão

Eu sei, você gostaria muito que sua família tivesse compaixão por aquele leitão assado e entendesse as consequências ambientais de servir um pernil, mas evitar discursos espontâneos na mesa pode ser bom para o clima familiar.

Vá preparado

Não quer ficar só no arroz com farofa? Leve seu prato principal já preparado. Capriche na porção, logo após as piadinhas infames e caras feias, todo mundo vai provar da sua comida. Se você é vegano, vale investir também numa sobremesa.

Separa pra mim?

Se você não conseguir fazer seu prato, peça com carinho para o piloto do fogão cozinhar um pouco de batata separada do frango e guardar uma porção de farofa antes de colocar o toucinho. Se ficar difícil, apele para a analogia. “Se caísse uma barata no seu prato, você tiraria no cantinho e comeria o resto?” pode te ajudar a explicar por que você não quer passar a próxima hora separando o presunto do arroz.

Tenha sempre uma piada em mãos

É noite de Natal, faça um esforço para levar na esportiva. Sacadinhas como “carne, para mim, só a humana” e “cuidado para o porco não gritar quando sair do forno” podem te ajudar a se livrar do bullying (ou praticar um bullying reverso).

Exercite a paciência

Você vai precisar de bastante quando alguém perguntar se as plantas não sentem dor.

A chef Priscilla Herrera, do restaurante Banana Verde, dá a sugestão de um prato principal e uma sobremesa para a ceia veg. Veja abaixo.

Moranga com creme de pupunha

Mini morangas

  • 6 mini morangas pré-cozidas sem as sementes
  • 1 tofu batido em creme
  • 1 alho-poró fatiado
  • 2 colheres de azeite
  • de oliva
  • 1 colher de café de algas hijiki
  • 500 g de palmito pupunha em cubos cozido e macio
  • ½ cebola picada
  • 1 pimentão vermelho em cubos
  • ½ xícara de castanhas de caju torradas e picadas

Com o auxílio de uma colher de sobremesa, raspe o miolo com as sementes da moranga. Cozinhe em água fervente por 15 minutos até ficarem macias; retire-as da panela e dê um choque térmico em água fria.

Para a pupunha, cozinhe por 20 minutos. Quando você espetar o palmito com a faca e ele estiver macio, é porque está no ponto. Escorra e dê um choque térmico

Creme de palmito

Em uma panela, acrescente o azeite de oliva e refogue o alho-poró, a cebola, os pimentões e as algas hijiki. Quando estiver dourado, adicione o palmito cozido e o creme de tofu com leite de coco. Coloque temperos se necessário. Para finalizar, recheie as mini morangas com o creme de palmito e leve-as ao forno. Finalize com as castanhas de caju torradas e picadas.

Manjar de coco com calda de goiabada

  • 1 xícara de chá de leite de coco
  • 2 xícaras de leite de castanha de caju
  • 50 g de coco seco ralado
  • ½ xícara de amido de milho
  • 2 colheres de chia
  • 1 xícara de açúcar de coco ou demerara
  • 1 xícara de goiabada
  • Óleo de coco para untar

Misture o leite de coco e de castanha com o amido de milho e mexa bem para dissolver. Adicione o coco seco ralado e o açúcar. Cozinhe em fogo médio para não queimar. Mexa sempre para dissolver o açúcar e cozinhar sem que empelote. Quando a textura virar um mingau, acrescente a chia e desligue o fogo. A textura tem que ser cremosa e homogênea.

Unte com óleo de coco uma forma de pudim e coloque o manjar, ou espalhe em taças ou numa assadeira para bolo inglês. Leve à geladeira e, quando esfriar, sirva com a goiabada.

Validade: três a quatro dias sob refrigeração.

Ricardo Ampudia é vegetariano há 20 Natais

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.