Conheça as azeitonas mais comuns no Brasil e bons rótulos de azeite para degustar

Com e-commerce, pequenas marcas agora vendem direto para o consumidor

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tânia Nogueira
São Paulo

Assim como no vinho, as variedades da azeitona determinam as características do produto final. No entanto, o local onde elas são plantadas e o ponto de maturação no momento da colheita podem mudar muito a sua expressão no azeite. A seguir, as variedades mais usadas no Brasil.

Arbequina - Presente em todas as regiões produtoras do Brasil, é uma variedade suave, que rende azeites frutados, não tão picantes nem tão amargos. Por isso, o azeite de arbequina é ideal para quem está começando a adquirir o gosto por azeites especiais. Vai bem com peixes, saladas, aves.

Arbosana - Uma variedade bastante produtiva, a arbosana costuma render azeites não tão intensos. Também é boa para iniciantes. Podem aparecer aromas de amêndoas e frutos secos. Combina com queijos, verduras cozidas, carnes cruas, sobremesas.

Coratina - Bastante intensa, com picância e amargor marcantes, esta variedade originária da Puglia (Itália) produz azeites bastante intensos. Prová-los é uma experiência bem diferente do usual. Têm aromas de alcachofra, grama cortada, folha de oliveira. Vai bem com pratos com caldo, nas saladas escuras, como agrião e rúcula, e com queijos curados e salgados.

Grappolo - Seus azeites são frescos e intensos, mas equilibrados. A picância e o amargor vêm em conjunto com as notas frutadas. Têm notas de ervas aromáticas, morango, banana, maçã. Vai bem com frutos-do-mar, comida japonesa, frutas.

Koroneiki - Variedade grega bastante popular no Brasil. Se colhida no ponto certo, seu azeite tem aromas verdes bastante intensos, como grama cortada e ervas aromáticas. Pode apresentar também algo de floral e baunilha. Vai muito bem sobre carnes grelhadas, em frutas e ovos.

Maria da Fé - Foi a primeira variedade a se adaptar ao clima brasileiro. Sua origem é a galega de Portugal. É uma azeitona muito pequena, que rende um azeite suave com aroma de nozes e frutos secos. Se colhida muito jovem, terá aromas verdes. É uma boa variedade para iniciantes. Combina com carnes brancas, massas leves e saladas. (TN)

Pequenas marcas vendem azeite direto para o consumidor

Agora, com a multiplicação do comércio online, ficou muito mais fácil comprar direto do produtor. Os azeites brasileiros podem também ser encontrados em empórios especiais e na Feira do Azeite de Porto Alegre (RS). Confira abaixo cinco boas marcas de azeite brasileiro.

Azeite nacional Batalha - Divulgação

Batalha - É o maior produtor do Brasil. Seus pomares ficam em Pinheiro Machado e Candiota, ambos no Rio Grande do Sul. Seus azeites estão nos supermercados Pão de Açúcar e Zafari. Produz três rótulos: frutado, intenso e black. Os dois primeiros vêm em garrafas de 500 ml e custam cerca de R$ 52. O terceiro, numa garrafa de 250 ml, sai por cerca de R$ 80.

Azeite nacional Casa de Marchio - Divulgação

Casa de Marchio - No ano passado, houve uma pequena extração. Esta marca de Encruzilhada do Sul (RS), no entanto, entra de fato no mercado agora, na safra de 2021. Chega com três rótulos varietais, arbequina, arbosana e koroneiki. Vão custar cerca de R$ 42, no site da empresa.

Azeite nacional Olivas do Sul - Divulgação

Olivas do Sul - A primeira empresa a produzir azeite no Brasil, a Olivas do Sul começou em Cachoeira do Sul e hoje tem plantações também em Encruzilhada do Sul, ambas no RS. A safra 2021 terá varietais de arbequina, arbosana, coratina e koroneiki. Há também dois blends: o blend Riserva d’Oro e um feito com azeitonas diversas de oliveiras centenárias que foram transplantadas de outras fazendas do estado. Os varietais e o Riserva d’Oro devem custar R$ 35 (250 ml) e R$ 55 (Blend das Centenárias), no site da empresa e na Banca 43 do Mercado Municipal de Porto Alegre .

Azeite nacional Rossini - Divulgação

Rossini - Pequeno produtor de Santo Antônio do Pinhal, SP, tem azeites bastante conceituados. Este ano deve ter varietais de arbequina e grappolo. Aceita encomenda de azeite novello (não filtrado). As garrafas de 250 ml vão custar no Instagram da marca. Acima de 3 garrafas não tem frete para a cidade de São Paulo

Azeite nacional Sabiá - Divulgação

Sabiá - Este é o primeiro ano que o Sabiá produz azeite no Sul. Haverá, então, Sabiá da Mantiqueira (varietais de arbequina, arbosana e koroneiki, além de um blend) e Sabiá da Vigia (blend do Sul). As garrafas vão custar R$ 54, no site da empresa. A marca desenvolveu também garrafinhas de cerâmica especiais com a artista Lúcia Eid (R$ 120).

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.