Descrição de chapéu Cadeias Alimentares

Rede agroecológica alavanca cadeia do cacau no sul da Bahia

Cultivo que valoriza diversidade, saber local e respeito ao ambiente ganha espaço

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Cacau orgânico plantado no assentamento Dois Riachões, em Ibirapitanga (BA)

Cacau orgânico plantado no assentamento Dois Riachões, em Ibirapitanga (BA) Raphael Muller/Folhapress

Salvador e Ibirapitanga (BA)

O sol de primavera arde em um céu quase sem nuvens. Mas, sob a sombra de jequitibás, gameleiras, sapucauias e outras espécies da mata atlântica, o clima é fresco para os cacaueiros do assentamento Dois Riachões, em Ibirapitanga, cidade do sul da Bahia a 360 km de Salvador.

Com cestos de vime nas costas, os agricultores partem para a colheita do cacau, que será quebrado, debulhado, fermentado e secado em estufas. Uma parte seguirá para fábricas de chocolates finos, outra será processada dentro da própria fazenda.

Com 40 famílias, o assentamento ilustra o sucesso de um modelo que ganha espaço no sul da Bahia: a produção de cacau orgânico e agroecológico.

Com o apoio de uma rede colaborativa que atua no financiamento, na assistência técnica e na comercialização, a produção de cacau por agricultores familiares deslanchou nos últimos cinco anos.

O cultivo segue a técnica cabruca, na qual as árvores são plantadas aproveitando o sombreamento da mata nativa, e práticas agroecológicas.

Além de cultivar o produto sem agrotóxicos, queimadas ou adubos químicos, esse modelo de produção valoriza a diversidade dos produtos, o trabalho coletivo e o saber local das comunidades rurais.

A semente do assentamento Dois Riachões data de 2001, quando agricultores sem-terra ligados ao Ceta (Coordenação Estadual de Trabalhadores Assentados e Acampados) ergueram um acampamento nas margens da BR-101.

Em 2007, eles ocuparam uma fazenda em Ibirapitanga que estava improdutiva desde a eclosão da vassoura-de-bruxa, praga que dizimou lavouras e arruinou a região sul da Bahia nos anos 1990.

A posse da terra só veio em 2018. Mas desde 2015 os agricultores se dedicam à produção do cacau de qualidade e a outras 35 culturas complementares, incluindo frutas, verduras, grãos e hortaliças.

"Nossa história começa com a luta dos movimentos sociais. Conseguimos avançar na produção agroecológica, o que abriu portas para parcerias", afirma Tereza Santiago, 36, agricultora do assentamento e membro da Rede de Agroecologia Povos da Mata.

A produção e o beneficiamento do cacau nos assentamentos ganhou tração após parcerias da rede com o Instituto Ibi de Agroecologia e a gestora de projetos Tabôa Fortalecimento Comunitário.

Juntas, as três entidades formaram a Muká Plataforma Agroecológica, responsável por um conjunto de projetos que apoia produtores em cinco eixos: produção, beneficiamento, comercialização, crédito e certificação orgânica.

Desde que a plataforma colaborativa teve início, em 2019, cerca de 700 agricultores de assentamentos e comunidades rurais da Bahia foram atendidos com assessoria técnica, capacitações em manejo agroecológico e acesso a microcrédito rural.

A Tabôa passou a atuar em assistência técnica e financiamento, criando um fundo para ajudar agricultores da região que praticam agroecologia.

O fundo começou com R$ 50 mil para crédito aos produtores do sul da Bahia. Mas superou R$ 1 milhão após a emissão de CRAs (Certificados de Recebíveis do Agronegócio) —títulos de renda fixa lastreados em recebíveis de negócios entre produtores rurais.

Nessa operação-piloto, cada agricultor recebeu, em média, R$ 7.000 em crédito para investir em produção e beneficiamento de cacau, impactando 195 famílias que atuam em uma área de 816 hectares, sendo 400 deles certificados.

A operação, classificada como de finanças híbridas, inclui recursos de mercado, que financiam o crédito, e recursos filantrópicos, investidos na assistência técnica. Além do retorno financeiro, os investidores recebem um relatório anual sobre o impacto social e ambiental do título.

A Muká também oferece assistência técnica a 230 agricultores e os auxilia na comercialização, para evitar os atravessadores.

"A assistência técnica sem crédito não vai muito longe. E o crédito sem assistência técnica é muito arriscado. E os agricultores também precisam ter para quem vender. Essa visão integrada é o que faz o trabalho funcionar", afirma Roberto Vilela, diretor-executivo da Tabôa.

A integração tem dado certo, de acordo com ele. A linha de crédito registra menos de 1% de inadimplência.

Com treinamento e crédito, os agricultores agregaram valor aos seus produtos e acessaram novos mercados. Os produtos passaram a ser vendidos em feiras e empórios de cidades do entorno.

Também chegaram ao mercado paulista por meio da Estação São Paulo, espécie de entreposto que comercializa produtos de cerca de 11 mil agricultores ligados a redes agroecológicas do país.

No assentamento Dois Riachões, o novo modelo representou uma mudança e tanto para agricultores de uma região na qual a produção esteve restrita, por séculos, aos chamados coronéis do cacau.

"A reforma agrária e a agroecologia nos deram essa liberdade. A gente antes não tinha o direito nem de chupar uma cabaça de cacau, porque os jagunços não deixavam. Hoje, cada família tem 4.000 pés", diz o agricultor Rubens Dário Fróes, 33, que faz parte da rede Povos da Mata.

Ele lembra que alguns agricultores mais antigos, que trabalharam a vida inteira em grandes fazendas de cacau, nunca tinham provado um chocolate, principal produto final da lavoura.

Aos 60 anos, Zerisvaldo Santos trabalhou a maior parte da vida como tropeiro, conduzindo rebanhos de fazendeiros do sul da Bahia. Agora, produz o próprio cacau e também planta hortaliças no assentamento.

Além de cultivo, os agricultores passaram a investir no beneficiamento do cacau, ampliando o rendimento médio das famílias. Em vez de vender o cacau in natura, eles investiram em tanques de fermentação e estufas para a secagem das sementes.

O passo seguinte foi arrecadar R$ 56 mil para a construção de uma pequena fábrica de chocolates. O processo ainda é artesanal, mas rende quatro quilos por dia.

Por enquanto, só 3% da produção é transformada em chocolate no assentamento. A ideia é que essa proporção aumente nos próximos anos, a partir do incremento do maquinário da fábrica.

A maior parte do cacau selecionado é vendida para fábricas de chocolates orgânicos finos. O assentamento Dois Riachões fornece para as marcas AMMA, Dengo, Kalapa e Maré, que trabalham no nicho da produção a partir do cacau de qualidade.

Fundador e proprietário da AMMA Chocolate, o empresário Diego Badaró afirma que o elo com os produtores dos assentamentos vai além da compra do cacau.

"É um trabalho integrado com muitas camadas de relacionamento, para que a gente não mantenha relação linear de compra de matéria-prima, mas troque conhecimento, projetos e possibilidades de anexar complexidade a essa rede", diz.

Ele destaca a importância de os produtores terem a própria fabricação do chocolate, dominando a cadeia de ponta a ponta. "Você não precisa ser um fornecedor do cacau commodity para a grande indústria. Pode transformar o grão na sua própria terra."

O modelo de produção de Dois Riachões está sendo replicado para outros quatro assentamentos da região, que começam a ter crédito para investir no manejo da terra e no beneficiamento. Juntos, os assentados produziram 3.000 arrobas de cacau em 2020, sendo 50% de cacau de qualidade.

Hércules Saar, presidente da rede Povos da Mata, diz que o modelo agroecológico tem encontrado respaldo.

"Cada dia encontro agricultor novo buscando chegar onde estamos aqui. É uma vitória da sociedade. Que isso possa se expandir por todo o país."

O caderno especial Cadeias Alimentares contou com apoio do Instituto Ibirapitanga

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.