Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/11/2011 - 00h10

José Maria Félix (1949-2011) - Vereador e radialista em Sobral

Publicidade

ESTÊVÃO BERTONI
DE SÃO PAULO

Na última sexta-feira, José Maria Félix começou seu programa na rádio Tupinambá AM lamentando como o tempo passara rápido demais.

Natural de um distrito de Sobral, município de 188.233 habitantes no Ceará, ele comandava na cidade, de segunda à sexta, das 6h às 8h, o "Microfone Aberto", definido por uma vinheta da emissora como o "programa do José Maria Félix para o povão".

Filho de um "homem do campo", como conta o irmão Francisco, o radialista na verdade se formara em engenharia. Exerceu a profissão no começo, mas logo entrou para a rádio e começou a cobrir esporte, área pela qual era apaixonado. Torcia para o Vasco da Gama, lembra a família.

Chegou a ser diretor da Abrace (Associação Brasileira de Cronistas Esportivos) e da APCDEC (Associação dos Profissionais da Crônica Desportiva no Estado do Ceará).

Sua outra paixão era a política. Filiado ao PSB (Partido Socialista Brasileiro), José Maria estava em seu sétimo mandato como vereador em Sobral, segundo o irmão.

Ex-membro do MDB e do PSDB, era conhecido como "escudeiro" dos políticos Cid e Ciro Gomes, por sua amizade com a família. Durante o governo de Cid Gomes em Sobral (1997-2004), foi secretário de obras do município.

Adorava pertencer à Câmara Municipal e não tinha maiores pretensões políticas.

Um dia após apresentar seu último programa na rádio, sentiu-se mal e foi internado. Morreu na madrugada de segunda, de acordo com o irmão, após sofrer uma parada cardíaca. Tinha 62 anos. Casado com Maria José, deixa três filhos e duas netas.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página