Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/12/2011 - 00h00

José Aderaldo Castello (1921-2011) - Estudioso da literatura brasileira

Publicidade

ESTÊVÃO BERTONI
DE SÃO PAULO

Um professor de literatura mudou a cabeça de José Aderaldo Castello. Cearense de Mombaça, o rapaz veio a São Paulo decidido a fazer direito. Mas as aulas de literatura no cursinho foram tão impactantes que, no fim, fez letras.

Leia sobre outras mortes

Formou-se nos anos 40, na USP, em letras clássicas, numa turma de sete pessoas.

Por pouco tempo, deu aulas no Mackenzie e, logo depois, começou na USP, onde seguiria até o fim da carreira.

De meados dos anos 60 até 1981, o professor dirigiu o IEB (Instituto de Estudos Brasileiros), que fora fundado por Sérgio Buarque de Holanda.

Castello foi um dos primeiros estudiosos de literatura do país a usar microfilmagens em pesquisas. Com uma câmera Leica, criou uma engenhoca que registrava os documentos em filmes Kodac.

Reuniu, assim, um "mar de fac-símiles", como contou a professora Telê Porto Ancona Lopez na cerimônia de outorga do título de professor emérito ao amigo, em 2001.

De 1957 a 1980, Castello pesquisou profundamente o movimento academicista, o que resultou na publicação de 17 volumes de documentos. Também escreveu, entre outros, "A Literatura Brasileira: Origens e Unidade (1500-1960)" e "Presença da Literatura Brasileira", antologia feita com Antonio Candido.

Segundo o neto Paulo, o avô era bem-humorado e um grande apreciador de vinhos.

Casado com Yara, teve uma filha, Clara, que morreu em 2004 de embolia pulmonar.

Sua saúde piorou após quebrar o fêmur numa queda. Morreu na quinta, aos 90. Pediu para que suas cinzas fossem jogadas no mar, como as da filha. Teve dois netos.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página