Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
30/12/2011 - 13h44

Pilotos de barcos vão fazer teste de bafômetro no Réveillon do Rio

Publicidade

DA AGÊNCIA BRASIL

Pilotos de mais de 600 embarcações de pequeno e médio porte, considerados como categoria arrais amador, vão estar na mira da Capitania dos Portos durante o Réveillon deste ano no Rio de Janeiro.

Veja condições do trânsito em tempo real
Baladas em morros são opções para Réveillon alternativo
Quase 370 mil veículos já deixaram SP rumo ao litoral
Confira o que abre e fecha em São Paulo no Ano-Novo

O capitão dos Portos, comandante Walter Bombarda, disse que a capitania --responsável pelo tráfego no mar territorial --vai realizar testes de bafômetro por amostragem durante todo o período da festa.

Segundo Bombarda, o procedimento é semelhante ao que acontece nas ruas das cidades e nas estradas, inclusive com a possibilidade de o piloto se recusar a fazer o exame. Neste caso, outra pessoa licenciada deverá assumir a direção da embarcação.

No ano passado, fiscais identificaram e prenderam três pessoas que foram flagradas pilotando embarcações de pequeno e médio porte sob efeito de álcool. A prioridade este ano será a fiscalização dos barcos de passeio e de lazer que partirem do ICRJ (Iate Cube do Rio de Janeiro) e da Marina da Glória.

Bombarda explicou que os exames com bafômetros, aferidos pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), só não serão feitos em pilotos de transatlânticos.

"Na realidade, o transatlântico é um território estrangeiro, a gente não pode atuar da mesma forma", disse o comandante, explicando que a restrição serve, inclusive, para transatlânticos brasileiros.

"Tenho 35 anos de Marinha. As pessoas não fazem isso [consumir bebida alcoólica]. O piloto tem um navio que custa quase US$ 1 bilhão na mão, com mais de 4.000 pessoas embarcadas. Ele não vai fazer isso", disse Bombarda.

A Capitania dos Portos confirmou a presença de 14 transatlânticos, que vão acompanhar a queima de fogos no mar de Copacabana. Esses navios precisam manter uma distância de cerca de 400 metros das balsas que levarão os fogos de artifício.

Para garantir as regras de segurança, a Marinha vai manter um esquema de vigilância, com dez embarcações, um helicóptero e um navio-patrulha, no mar de Copacabana, durante a festa.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Voltar ao topo da página