Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/04/2012 - 00h00

Affonso Rocha Giongo (1918-2012) - Engenheiro e professor de desenho

Publicidade

ESTÊVÃO BERTONI
DE SÃO PAULO

Nascido numa família pobre, o paulistano Affonso Rocha Giongo tinha parado de estudar para trabalhar como office-boy durante a adolescência. Um dos chefes, porém, não concordou com aquilo.

O rapaz foi incentivado a voltar às salas de aula e a fazer o madureza, como o supletivo era chamado na época.

Graças à atitude do patrão, Affonso foi de jovem sem estudos a professor. Entrou para a Poli-USP e se formou em engenharia em 1946, como conta o filho, o também engenheiro Luiz Henrique, que se interessou pela carreira devido aos muitos livros técnicos que sempre via em casa.

De certa forma, Affonso também seguiu os passos do pai, que, além de funcionário de uma estrada de ferro, foi instrutor numa unidade de jovens infratores, para os quais ele ensinava uma profissão.

Depois de concluir os estudos, deu aulas de desenho e matemática no cursinho do Anglo-Latino e no colégio Bandeirantes, em São Paulo.

A mulher, a dona de casa Martha, 85, ele conheceu porque ela estudava com uma irmã sua. Casaram-se em 1947.

Escreveu o livro "Curso de Desenho Geométrico" (Nobel), reeditado mais de 30 vezes. Cheia de exercícios, a obra era usada em muitas escolas.

Parou de lecionar depois que se tornou engenheiro da Prefeitura de São Paulo. Aposentou-se como supervisor em meados da década de 80.

Gostava de ler jornais, mas passou a ter dificuldades por causa de problemas na visão.

Morreu na quinta (5), aos 94, de falência de órgãos. Teve três filhos, sete netos e três bisnetos. A missa do sétimo dia será hoje, às 18h30, na igreja São Gabriel, em SP.

Comentar esta reportagem

Termos e condições

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página