Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/12/2012 - 19h21

Ana Cintra poderá retornar à reitoria da PUC-SP, determina Justiça

Publicidade

FÁBIO TAKAHASHI
DE SÃO PAULO

A Justiça determinou neste domingo (23) que a professora Anna Cintra poderá retornar à reitoria da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). Ela havia sido afastada semana passada devido a um imbróglio após a eleição na universidade.

A informação foi dada pelo advogado da Fundação São Paulo (mantenedora da universidade), Antônio Meyer. Ele argumentou no pedido de reconsideração que uma instituição como a PUC-SP não pode ficar "acéfala".

Desde a semana passada, quando a Justiça havia afastado Cintra em julgamento de primeira instância, a universidade estava sem reitor.

DECISÃO ANTERIOR

Na quarta-feira, o juiz Anderson Cortez Mendes havia estipulado multa de R$ 10 mil por cada ato feito por Anna Cintra como reitora e decidiu que o cargo deveria ser ocupado interinamente pelo professor Marcos Tarciso Masetto.

A medida foi tomada após o Centro Acadêmico 22 de Agosto, da faculdade de direito, notificar o juiz que a decisão anterior --que suspendeu a nomeação da nova reitora-- não estava sendo cumprida.

Horas antes do anúncio de Anna Cintra, dom Odilo Pedro Scherer, 63, arcebispo de São Paulo e grão-chanceler da PUC disse que é preocupante que a Justiça se manifeste em relação à escolha do reitor.

"Parece que é um precedente preocupante que a Justiça se proponha a nomear o reitor interino de uma instituição que tem plena autonomia para se governar", disse.

"A PUC tem mecanismos para resolver sua crise sem precisar de intervenção, contanto que esses mecanismos sejam plenamente levados à sério", completou dom Odilo Scherer.

Em nota, a Fundação São Paulo afirmou que os estudantes que entraram com o recurso estão "violando as normas internas da universidade". "Vamos lutar na Justiça para repor e fazer valer o estado de direito na PUC. Anna Cintra é a reitora, ela foi empossada e está trabalhando", disse o cardeal.

Avener Prado/Folhapress
Dom Odilo Sherer, arcebispo de SP, diz se preocupar com a intervenção da Justiça na PUC
Dom Odilo Sherer, arcebispo de SP, diz se preocupar com a intervenção da Justiça na PUC

RECURSO

De acordo com o cardeal Dom Odilo Scherer, grão-chanceler da PUC-SP, "a democracia se caracteriza pelo respeito às regras do jogo e da não imposição de vontades autocráticas. A normalidade institucional foi plenamente respeitada e a democracia na PUC, se assim se pode dizer, foi plenamente respeitada". O arcebispo de São Paulo afirmou que "a Igreja zela pela identidade e bom andamento da PUC. Eu espero que não haja intervenção de forma alguma e, por isso mesmo a própria universidade deve se moderar".

Quando questionado como veria a nomeação de outro candidato que não tivesse ganhado as eleições caso fosse estudante da PUC-SP, dom Odilo declarou que não veria estranheza no processo. "Sabe-se com antecedência que a eleição não é o termo final, ela serve para a apresentação da lista tríplice, mas não para a apresentação de um único candidato".

Dom Odilo Scherer se recusou a explicar o veto a Dirceu de Mello, ganhador da eleição. "Eram três candidatos com condições de dirigir a PUC. Escolhi um por razões que cabem ao grão-chanceler avaliar".

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página