ANGELA PINHO
DE SÃO PAULO

O grande número de pessoas não vacinadas contra a febre amarela em áreas com ecossistema favorável ao vírus representa um "alto risco" de mudança no patamar de transmissão, diz comunicado da OMS (Organização Mundial da Saúde) divulgado nesta segunda-feira (22).

Desde julho do ano passado, o Ministério da Saúde contabiliza 35 pacientes com a doença no país, com 20 mortes.

Em São Paulo, que tem uma contagem mais atualizada, o total, desde o início de 2017, chega a 81, segundo a Secretaria da Saúde. Entre semana passada e a anterior, 41 novos casos foram confirmados.

Febre Amarela

Para bloquear o vírus, o ministério lançou uma campanha que pretende imunizar, em menos de 50 dias, 21,8 milhões de pessoas no Rio, em São Paulo e na Bahia.

Para a OMS, a medida deve limitar o avanço da doença, mas é possível prever percalços. "É importante notar que, devido à sua escala e alcance, esta campanha de vacinação em massa provavelmente será caracterizada por desafios logísticos significativos", diz o texto.

O comunicado afirma ainda que o grande número de mortes de macacos por febre amarela no país, especialmente em São Paulo, indica um alto nível de concentração do vírus em ecossistemas favoráveis à transmissão no Brasil. Esse dado, para a entidade, é especialmente preocupante quando as mortes acontecem perto de grandes cidades como a capital paulista.

Crédito:

A capital paulista não tem casos humanos da doença, mas registrou mortes de macacos em áreas como o Horto Florestal (zona norte) –todas as 17 famílias de bugios foram exterminadas.

O texto da OMS cita ainda o caso do vírus "exportado" para a Holanda no início de janeiro e informa que o paciente chegou ao país após passar por Mairiporã e Atibaia, duas cidades com circulação do vírus em São Paulo. Ele passa bem.

A entidade mantém a recomendação de vacina a todos os viajantes internacionais com destino a qualquer área do Estado de São Paulo.

Crédito:
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.