Bloco na orla da praia de Ipanema tem paquera e coro de 'Fora Crivella'

Prefeito do Rio tomou algumas medidas vistas no Carnaval como hostis à folia

Luiza Franco
Rio de Janeiro
 
 
Bloco Simpatia É Quase Amor desfila em Ipanema, zona sul do Rio - Fernando Maia/Riotur

Política no carro de som e paquera no chão. Esse foi o clima do bloco Simpatia É Quase Amor, que fez seu desfile de pré-Carnaval na orla de Ipanema, na zona sul do Rio, na tarde deste sábado (3).

Um dos blocos mais tradicionais da cidade, criado em 1985, o Simpatia costuma atrair cerca de 200 mil foliões no Carnaval, segundo seus organizadores. Neste ano, sua marchinha oficial mira o prefeito Marcelo Crivella (PRB), bispo licenciado da Igreja Universal que tem tomado medidas interpretadas pelos foliões como hostis ao Carnaval.

Um trecho da marchinha do bloco, intitulada "Samba da adivinhação": "Ensaio de escola? Ele mela / Roda de samba? Atropela / Macumba? Não tolera / Só gosta de bloco nutella / Ele não cuida? Nem zela / Casa de jongo? Cancela / Em nome de Deus? Apela / Qual o nome do hômi?"

Neste ano, a prefeitura reduziu pela metade a subvenção às escolas de samba, alegando falta de caixa. Os foliões também criticam o que veem como uma tentativa de a prefeitura de "domar" a festa nas ruas.

Em Copacabana, Ipanema e Leblon, os blocos estão proibidos de sair nas ruas de dentro. Todos terão de desfilar na orla. Os arrasa-quarteirão --que costumam atrair mais de 800 mil pessoas-- serão deslocados para o centro e o aterro do Flamengo. "Vim aqui para curtir, mas te garanto que ninguém aqui gosta do Crivella", diz uma foliã no Simpatia.

Se tem política no carro de som, no chão tem paquera.

Carol Haines, 17, veio vestida de "salva-gatos". Ela, que "adora bichos", ganhou a camiseta com o dizer da mãe. "Mas aqui também serve para gato humano", diz, soltando uma risada.

Neste ano, a prefeitura autorizou o desfile de 437 blocos, sem falar nos não oficiais, que são a folia que importa para muitos. Neste sábado, haverá 63 desfiles oficiais por toda a cidade.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.