Demora de ônibus lidera queixas de usuários em São Paulo

Dados da SPTrans mostram que essa foi a principal reclamação dos passageiros em 2017

Tatiana Cavalcanti
São Paulo

A demora entre os ônibus municipais foi a principal reclamação dos passageiros no ano passado, mostram dados da SPTrans (São Paulo Transporte), empresa da gestão João Doria (PSDB). Foram 9.285 queixas, de um total de 35.428 sobre o transporte público.

Em segundo lugar, ficaram as queixas a respeito de motoristas que não atendem embarque e desembarque, com 8.102 reclamações.

A primeira e segunda colocada no ranking inverteram as posições registradas em 2016: naquele ano, foram 11.340 queixas por não parar e 10.611 por demora dos ônibus (chamado de intervalo excessivo de linha).

O auxiliar de escritório Cassiano Gomes Júnior, 18 anos, afirma que diariamente espera no ponto, no mínimo, 25 minutos pelo ônibus da linha 967-A/10 (Pinheiros-Imirim), que passa na avenida Duque de Caxias. "Tem dias em que espero 40 minutos. O problema é que, muitas vezes, passam dois ônibus da mesma linha na sequência do outro e prejudica quem perde um deles."

Passageiro desembarca no terminal Bandeira, no centro de São Paulo
Passageiro desembarca no terminal Bandeira, no centro de São Paulo - Danilo Verpa/Folhapress

Outras queixas de passageiros, segundo a SPTrans, são tratar o público em geral com falta de respeito (3.890), descumprimento de partida no ponto inicial ou final (2.868) e velocidade incompatível ou manobras bruscas (2.763). No geral, o número de reclamações caiu 26% na comparação entre os dois anos. Foram 48.271 reclamações em 2016, contra 35.428 do ano passado.

Fiscalização

A SPTrans atribuiu a queda à ampliação da fiscalização em 2017, que levou em consideração as informações dos passageiros. Outra justificativa para a queda nos números, ainda segundo a prefeitura, foi o início, em março do ano passado, das multas às viações de forma eletrônica, por meio de monitoramento por GPS, quando detectadas viagens não realizadas aos sábados e feriados.

A SPTrans, empresa da gestão João Doria (PSDB), afirma que houve queda nas reclamações gerais, incluindo a demora do ônibus e o não atendimento ao embarque e desembarque. Afirma também que os passageiros devem fazer suas reclamações, pois elas contribuem com a fiscalização e melhoria do serviço.

Quanto à linha 967-A/ 10 (Pinheiros-Imirim), a SPTrans disse que identificou desajustes nas partidas e que intensificará o monitoramento dela.

O SPUrbanuss (sindicato das empresas) diz que, infelizmente, condições de operação, falta de prioridade ao transporte público, semáforos não preferenciais aos coletivos, congestionamentos e falta de conservação das vias (asfalto irregular) prejudicam o desempenho dos ônibus.(TC)

Redução da frota, não reposição de motoristas, aumento no intervalo do almoço e ônibus que já saem dos terminais superlotados são algumas das razões apontadas pelo presidente do Sindmotoristas (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo), Valdevan Noventa, para as reclamações contra motoristas.

"A culpa sempre recai no trabalhador, quando, na verdade, a propagada nova licitação vai reduzir a frota em mil ônibus. E veículos velhos foram retirados de circulação sem substituição. Considerando isso, e que o quadro de funcionários está enxuto e desfalcado, na grande realidade o tempo de intervalo vai aumentar, mesmo, diz.

Basta parar em um ponto de ônibus para escutar reclamações de passageiros. A conduta de alguns motoristas é a queixa da estudante Liana Victória dos Santos, 22 anos, que aguardava ontem coletivo na República (região central de SP).

"Alguns saem antes de o passageiro se estabilizar ou mesmo correm para compensar o tempo perdido no trânsito. Dá medo, quase caí várias vezes", afirma.

A operadora de caixa Viviane Medeiros, 29 anos, conta que usa aplicativo para saber o horário do ônibus. "Essa espera no ponto é muito cansativa", diz.

A operadora de telemarketing Michelle Duarte Bezerra, 33 anos, reclamou que o ônibus atrasou dez minutos além do normal, anteontem, no corredor de ônibus da avenida São João. "Deve ter sido por causa da chuva."

Agora
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.