Descrição de chapéu Agora

A nove dias de renunciar, Doria inaugura hospital antes de terminá-lo

Novo pronto-socorro só atenderá casos de emergência e pacientes de outras unidades

Regiane Soares
São Paulo

A nove dias de renunciar ao cargo de prefeito para se candidatar ao governo estadual, João Doria (PSDB) inaugurou nesta quinta-feira (29) o Hospital Municipal de Parelheiros com obras ainda em andamento.

A unidade no extremo sul de São Paulo começou a ser construída há três anos, durante a gestão do ex-prefeito Fernando Haddad (PT).

Por enquanto, o novo pronto-socorro terá cinco especialidades: ortopedia, ginecologia, clínica médica, cirurgia geral e pediatria. A previsão é atender 600 pessoas por dia quando as obras forem finalizadas, até o fim de maio.

Manifestantes e guardas entraram em confronto na manhã desta quinta-feira (29) após inauguração de hospital nesta quinta (29)
Manifestantes e guardas entraram em confronto na manhã desta quinta-feira (29) após inauguração de hospital nesta quinta (29) - Reprodução/Nas Ruas

Doria deve renunciar ao cargo de prefeito até 7 de abril para ser candidato ao governo estadual.

O novo pronto-socorro não será porta aberta, ou seja, só atenderá pacientes encaminhados por outras unidades de saúde, como AMAs e UPAs, ou casos de urgência e emergência.

Os casos menos graves, como viroses, febre, fraturas simples e dores em geral, continuarão sendo atendidos na AMA Parelheiros ou no Pronto-Socorro Municipal Balneário São José —que ficam a 1 km e a 8 km de distância da nova unidade de saúde, respectivamente.

O modelo de atendimento no pronto-socorro foi criticado por moradores da região, que há décadas aguardavam pela conclusão das obras do hospital.

A doméstica Antonia Paula dos Santos, 58, disse que ficou decepcionada quando soube, nesta quinta. “Não foi essa a nossa campanha. Esperava que fosse um pronto-socorro de porta aberta. Ficou muito lindo, e eu agradeço por isso. Mas queremos atendimento de porta aberta.”

A auxiliar infantil Vanderlúcia Jacinto do Nascimento, 47, afirmou que também esperava pelo atendimento de porta aberta. “O que vai acontecer é que os outros prontos-socorros da região vão continuar lotados. Essa decisão foi uma decepção para nós.”

Segundo a prefeitura, o novo pronto-socorro beneficiará cerca de 2,5 milhões de pessoas, especialmente os cerca de 160 mil moradores de Parelheiros. O valor total investido na construção do hospital foi de R$ 182 milhões.

Para Gonzalo Vecina Neto, especialista em gestão pública em saúde, o atendimento referenciado (por encaminhamento) em prontos-socorros é uma boa decisão para dar melhor atendimento aos pacientes mais graves, e deve ser adotado em regiões que tenham unidades para atender os casos menos graves.

“No caso de Parelheiros, o ideal seria manter o atendimento referenciado no horário comercial e, fora dele, o pronto-socorro ser porta aberta para a população”, afirma.

Pacientes que aguardavam por atendimento na AMA Parelheiros, porém, também ficaram surpresos quando souberam, pela reportagem, que o novo pronto-socorro não será porta aberta. Eles temem que a prefeitura feche a AMA, como parte da reestruturação da saúde que está em curso.

“É um absurdo isso. Se não foi para atender a população em geral, porque fez o pronto-socorro?”, disse a estudante Deyse Sá, 22, que foi à AMA com o primo Caio, 8.

Para a arrumadeira Rosilene dos Santos, 37, a espera vai continuar na AMA. “É um absurdo não ser de porta aberta.”

OUTRO LADO

A gestão Doria disse que, mesmo que o PS do Hospital de Parelheiros seja uma unidade referenciada, “todos os pacientes que buscarem atendimento em casos de urgência e emergência serão acolhidos”.

A prefeitura afirmou ainda que a AMA Parelheiros, que atualmente funciona por 12 horas de segunda a sábado, será transformada em uma UPA 24 horas. Não informou, no entanto, quando será feita a mudança no atendimento. Segundo a administração municipal, essa mudança não prevê o fechamento do serviço.

Após a cerimônia de inauguração do PS, diz a prefeitura, foi feita a limpeza e esterilização dos equipamentos e materiais. O atendimento começou na noite desta quinta.

TUMULTO

Pelo menos três pessoas ficaram feridas durante uma manifestação feita por alunos e professores em frente ao Hospital Municipal Parelheiros após a inauguração do pronto-socorro da unidade, nesta manhã.

Os estudantes queriam apresentar ao prefeito os problemas na infraestrutura de escolas da rede municipal na região de Parelheiros. Eles aguardavam pelo prefeito na rua, em frente ao hospital.

Segundo o técnico em saúde Wiliam Aguiar do Prado, coordenador do Conselho de Supervisão de Saúde de Parelheiros, os estudantes, em sua maioria menores de idade, se irritaram quando souberam que o prefeito tinha ido embora sem falar com eles.

“Começou um empurra-empurra e tentei acalmar os meninos. De repente, um guarda-civil me pegou e me jogou no chão. Tentei apartar a briga e acabei apanhando”, afirmou Prado.

Para conter o tumulto, testemunhas disseram que guardas-civis usaram spray de pimenta. Um estudante de 17 anos foi levado para a AMA Parelheiros sem conseguir abrir os olhos. Um outro homem também levou um soco, segundo Prado.

A gestão Doria disse que a Guarda Civil Metropolitana “agiu para conter um tumulto” em frente ao hospital. “A ação dos integrantes da guarda será analisada”, afirmou a prefeitura.

Agora
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.