Descrição de chapéu Rio de Janeiro

Dono de reduto do samba é detido após ato em homenagem a Marielle

Alfredinho foi levado à delegacia após discurso em prol de vereadora morta

Rio de Janeiro

Uma homenagem à vereadora Marielle Franco ao som do samba terminou na delegacia na madrugada desta segunda (19) no Rio. O dono do bar Bip Bip, Alfredo Jacinto Melo, 74, o Alfredinho, foi levado por policiais para três delegacias após uma confusão entre um policial e frequentadores da roda de samba de seu estabelecimento.

Foto mostra seis pessoas em volta de uma mesa numa roda de samba no bar "Bip Bip", em Copacabana, no Rio de Janeiro
Roda de samba no bar "Bip Bip", em Copacabana, no Rio de Janeiro - Ana Carolina Fernandes/Folhapress

O policial rodoviário, que não teve o nome revelado, protestou quando Alfredinho fez um discurso sobre a morte de Marielle e convocou os frequentadores para um ato na terça (20).Segundo relatos de testemunhas, o agente questionou o discurso e deu início ao tumulto.

Meia hora depois, o policial voltou ao local e pediu a prisão dos envolvidos. Em nota, a Polícia Militar informou que agentes do 19º BPM foram acionados e levaram Alfredinho e o agente para a delegacia. Numa rede social, o advogado Rodrigo Mondego contou que acompanhou o dono do bar na delegacia.

Segundo o relato do advogado, Alfredinho foi registrado como testemunha da suposta agressão sofrida pelo policial. “Sim, é isso, o Alfredinho foi arbitrariamente conduzido à delegacia para ser testemunha de algo que ele não viu. Esse, a priori, é o entendimento dos órgãos de estado do Rio de Janeiro. Se a gente vivesse em um Estado de Direitos, o dono do Bip Bip teria sido vítima de crime de ameaça e abuso de autoridade”, escreveu Mondego.

Depois de passar por outras duas delegacias, Alfredinho foi liberado por volta das 3h desta segunda da 14ª DP, onde o caso foi registrado. Em nota, a Polícia Rodoviária Federal confirmou o ocorrido e informou que o agente foi conduzido para a delegacia em viatura oficial da PRF. “Inicialmente, não houve nenhum registro de comportamento que configure desvio de conduta funcional, representando tão somente atitudes e opiniões pessoais do servidor”, relatou. “Ressaltamos que opiniões e atitudes da vida privada dos servidores não representam o posicionamento da instituição”, acrescentou a nota da PRF.

REDUTO DO SAMBA

O Bip Bip é um minúsculo bar de Copacabana de apenas 18 metros quadrados referência para o samba. Alfredinho se tornou dono de bar em 1984.

Ele conhecia o estabelecimento desde a inauguração, ocorrida em 13 de dezembro de 1968, dia da decretação do AI-5. O atendimento é informal.

Ele manda as pessoas pegaram as cervejas na geladeira e anota em um papel. Sambistas famosos frequentam o local, como Paulinho da Viola, Nelson Sargento, Teresa Cristina e Moacyr Luz.

O bar abre toda noite, entre 18h e 1h. O bar é reduto da esquerda carioca. Alfredinho é envolvido em projetos sociais. No ano passado, ele embarcou com um grupo de 15 amigos e músicos para a Rússia. Lá, eles fizeram dois shows celebrando o centenário da Revolução Russa.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.