Descrição de chapéu saúde

Hospital de SP deixa pacientes em macas e cadeiras nos corredores

Doentes dizem que enfrentam dor e humilhação até ir para leito de unidade municipal

Pacientes sobre macas espalhadas pelo corredor do hospital
Pacientes em macas nos corredores do Hospital Municipal Tide Setubal, na zona leste de SP - Robson Ventura / Folhapress
Tatiana Cavalcanti
São Paulo

Pacientes que deram entrada no pronto-socorro do Hospital Municipal Tide Setubal, em São Miguel Paulista (zona leste de São Paulo), sob gestão João Doria (PSDB), estão internados em macas nos corredores. Outros ainda precisam esperar sentados por horas em cadeiras de rodas, por falta de leitos.

Além disso, a ala pediátrica, ao lado do pronto-socorro, ficou alagada após temporal que atingiu a capital, nesta quinta (1º).

O Tide Setubal é o hospital onde foi constatada presença de superbactéria, resistente à maioria dos antibióticos, e que pode levar à morte, como mostrou reportagem do Agora na última terça-feira.

Nesta quinta, por volta das 15h, havia 13 pacientes distribuídos pelo corredor da urgência. Alguns leitos eram rotativos. Outros abrigavam pacientes desde segunda-feira.

É o caso de um autônomo de 40 anos que pediu para não ser identificado. Chorando muito, ele contou que sentia dor e sede. Ele está internado porque vomitou sangue no início desta semana.

“Choro de tristeza por ter que ficar com uma fralda e uma sonda, sem ter ideia de quando vou ter alta. É humilhante ser exposto no corredor. Estou abalado. Os funcionários até são atenciosos, mas dizem que tem muita gente no hospital para ser atendida e não tem quarto para transferir”, conta ele.

A aposentada Maria Divino Martins, 60, diz ter ficado sentada em uma cadeira de rodas no corredor por seis horas, da 1h50 às 8h de quarta (28), após dar entrada no hospital. “Ir para a maca, mesmo no corredor, acaba sendo um alívio. Ficar na cadeira é incômodo demais, tenho dores”, afirma.

Funcionários de uma ambulância que trazia uma paciente idosa tiveram que esperar por mais de uma hora até que o hospital conseguisse um leito para ela e, com isso, liberar a maca.

TETO DANIFICADO

O forro do teto da ala pediátrica do Hospital Municipal Tide Setubal caiu em cima de pacientes, incluindo dois bebês, nesta quinta à tarde, no temporal que atingiu a cidade. Ninguém ficou ferido.

A reportagem estava no local quando a água começou a jorrar do teto, em cima de cadeiras na sala de espera da ala pediátrica, seguindo pelos corredores até chegar à porta do pronto-socorro do hospital, que estava lotado.

Os pais de pacientes também foram atingidos pelo forro que desabou. “Caiu em cima de mim e da minha filha. Nos molhou e nossos documentos também”, conta a autônoma Miriam de Oliveira Santos, 27 anos, que estava com a filha de um ano e seis meses no colo.

Já a filha de sete meses da dona de casa Nádia Gabriela Aparecida Lacerda, 19 anos, estava com febre. “Aguardávamos o resultado de uns exames de urina na sala de espera, quando isso aconteceu. Caiu em nós duas. Tomei um susto e saí correndo, com risco de cair com minha bebê no colo”, finaliza.

A Secretaria da Saúde afirmou que o conserto do forro será feito em 24 horas. De acordo com a gestão Doria, uma equipe de limpeza foi acionada, as mães e as crianças atingidas foram acolhidas e os atendimentos não foram prejudicados

AUMENTO NA DEMANDA

A Secretaria Municipal da Saúde, da gestão Doria, afirmou por meio de nota que o Hospital Municipal Tide Setúbal “atende livre demanda de urgência e emergência”, além do Samu e do Corpo de Bombeiros, e que “em alguns dias da semana é possível observar um aumento significativo da demanda, implicando um maior número de atendimentos”.

Segundo a secretaria, a unidade tem 172 leitos de internação e 23 de observação. Sobre a paciente Maria Divino Martins, disse que ela ficou em cadeira de rodas por causa da “necessidade de locomoção” para fazer exames e medicação. Ela foi internada após reavaliação médica, afirmou.

Agora
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.