Descrição de chapéu Rio de Janeiro

Vídeo mostra crianças se protegendo de tiroteio em escola na Rocinha

Comunidade teve nova operação nesta segunda-feira; um homem morreu

Rio de Janeiro

Um vídeo que circula em redes sociais mostra o momento em que alunos de uma escola pública na favela da Rocinha, zona sul do Rio, se protegem de um tiroteio que acontecia do lado de fora.

O vídeo teria sido feito no Ciep (Centro Integrado de Educação Pública) Doutor Bento Rubião, nesta segunda-feira (26), quando uma operação da Polícia Militar na favela deixou um morto.

“Isto é uma escola, estamos numa escola”, diz a professora e autora do vídeo, enquanto, ao fundo é possível ouvir uma forte explosão. Atrás dela, as crianças estão sentadas e deitadas no corredor que dá acesso às salas de aula.

Essa é uma prática comum em escolas que ficam em regiões conflagradas —retirar os alunos das salas de aulas e levá-los para os corredores, onde ficam mais protegidos.

Em 2017, outro vídeo de situação similar viralizou. Nele, Roberto Ferreira, professor em uma escola municipal em Paciência, na zona oeste da cidade, tocava violão e cantava para acalmar os alunos reunidos no corredor da escola.

A Rocinha tem reforço no patrulhamento desde setembro de 2017, quando irrompeu ali uma disputa entre as facções Comando Vermelho e Amigos dos Amigos pelos pontos de venda de droga. Os tiroteios têm sido constantes.

No período, 48 pessoas foram mortas pela polícia em supostos confrontos. Patrulham a favela cerca de 550 policiais por dia, oriundos da UPP Rocinha, do 23º batalhão da PM e do Comando de Operações Especiais.

No último sábado (24), uma operação da PM terminou com oito mortos na Rocinha.

O corpo de Matheus da Silva Duarte Oliveira, 19, um dos mortos, foi enterrado nesta segunda (26) no cemitério do Caju. Ele foi atingido por um tiro nas costas e não tinha ligação com criminosos da região, segundo familiares.

Oliveira integrava um grupo de valsa e participou de uma festa antes de ir ao baile funk onde acabou sendo atingido.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.