Descrição de chapéu Rio de Janeiro

Coordenador de diversidade sexual do Rio é alvo de ataque a tiros

Suspeitos perseguiram carro de coordenador e atiraram seis vezes; ninguém se feriu

Rio de Janeiro

O coordenador Especial da Diversidade Sexual da prefeitura do Rio, Nélio Georgini da Silva, foi alvo de um ataque a tiros, na tarde do último domingo (1º), na zona norte do Rio.

Nélio teve o carro perseguido após deixar um restaurante onde estava com os pais e o marido. O ataque, segundo o coordenador, ocorreu por volta das 14h30 entre os bairros de Benfica e Rocha.

"Saímos do restaurante, deixamos meus pais em casa. De repente veio uma moto. A moto foi nos seguindo, do meu lado [do banco do carona], com a arma apontada, eu dando instruções porque meu marido não conhece a região. Aí viramos numa rua e ouvimos os tiros. Nenhum atingiu o carro, não sei o que atingiram. O barulho da moto, a arma em punho e o som do carro ficaram registrados na minha memória", disse ele, antes de dar depoimento à Polícia Civil.
 

Nélio Georgini, coordenador de diversidade sexual da prefeitura do Rio, de braços cruzados e olhando para a câmera
Nélio Georgini, coordenador de diversidade sexual da prefeitura do Rio - Ricardo Cassiano/Divulgação

Filiado ao PRB, mesmo partido do prefeito Marcelo Crivella, Georgini é evangélico da igreja presbiteriana, homossexual e militante na área de educação. Casado há oito anos com o bancário Ronie Adams, assumiu a coordenação da Diversidade Sexual do Rio em janeiro de 2017.

Georgini disse que nunca havia sofrido ameaça por causa de sua atuação na causa LGBT. "Sempre tive uma vida pacata. Sou um simples gestor da pasta [de diversidade sexual]. Talvez estivesse no lugar errado na hora errada. De fato estão matando todo o mundo no Rio. As pessoas tentam fazer essa relação entre o trabalho, averiguar mortes de travestis, e se expor [a risco de violência]. Mas isso é um dever do meu cargo. Não posso me calar, por medo, se uma travesti sofre alguma coisa. Não consigo acreditar que minha atuação profissional tenha algo a ver com o que aconteceu. Independentemente de ser evangélico, gay, não posso ter medo de sair da minha casa e ir até a dos meus pais."

Pelas redes sociais, o coordenador aproveitou o fato para criticar a intervenção federal na segurança pública do estado. “Seríamos outros para a estatística de uma cidade roubada, acabada, que vive da maquiagem de uma intervenção que até agora nem uma mosca prendeu! Não há um militar na zona norte!”, escreveu.

"O subúrbio sempre foi largado. Lá você precisa aprender direção defensiva para sobreviver. É um absurdo", disse ele, em frente à delegacia.

VIOLÊNCIA NO RIO

O Rio de Janeiro passa por uma grave crise política e econômica, com reflexos diretos na segurança pública. Desde junho de 2016, o estado está em situação de calamidade pública e conta com o auxílio das Forças Armadas desde setembro do ano passado. 

Não há recursos para pagar servidores e para contratar PMs aprovados em concurso. Policiais trabalham com armamento obsoleto e sem combustível para o carro das corporações. Faltam equipamentos como coletes e munição.

A falta de estrutura atinge em cheio o moral da tropa policial e torna os agentes vítimas da criminalidade. Somente neste ano, 31 PMs foram assassinados no Estado —foram 134 em 2017. Policiais, porém, também estão matando mais.

Após uma queda de 2007 a 2013, o número de homicídios decorrentes de oposição à intervenção policial está de volta a patamares anteriores à gestão de José Mariano Beltrame na Secretaria de Segurança (2007-2016). Em 2017, 1.124 pessoas foram mortas pela polícia.

Em meio à crise, a política de Unidades de Polícia Pacificadora ruiu —estudo da PM cita 13 confrontos em áreas com UPP em 2011, contra 1.555 em 2016. Nesse vácuo, o número de confrontos entre grupos criminosos aumentou. Com a escalada nos índices de violência, o presidente Michel Temer (MDB) decretou a intervenção federal na segurança pública do Estado, medida aprovada pelo Congresso e que conta com o apoio do governador Luiz Fernando Pezão, também do MDB.

Temer nomeou como interventor o general do Exército Walter Braga Netto. Ele, na prática, é o chefe das forças de segurança do Estado, como se acumulasse o comando da Secretaria da Segurança Pública e a de Administração Penitenciária, com PM, Civil, bombeiros e agentes carcerários sob o seu comando. 

Apesar da escalada de violência no Rio, que atingiu uma taxa de mortes violentas de 40 por 100 mil habitantes no ano passado, há outros Estados com patamares ainda piores. No Atlas da Violência 2017, com dados até 2015, Rio tinha taxa de 30,6 homicídios para cada 100 mil habitantes, contra 58,1 de Sergipe, 52,3 de Alagoas e 46,7 do Ceará, por exemplo. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.