Covas recontrata aliado que havia sido demitido por Doria após críticas à zeladoria

Braço direito de Covas, Fábio Lepique ocupará o cargo de secretário-executivo de gabinete do novo prefeito

Guilherme Seto
São Paulo

Novo prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) decidiu trazer de volta para a prefeitura Fábio Lepique, que foi demitido pelo antecessor João Doria (PSDB) em outubro de 2017. Na ocasião, Lepique ocupava a função de secretário-adjunto de Prefeituras Regionais e era o braço direito de Covas.

Lepique foi nomeado para o cargo de secretário-executivo do gabinete do prefeito nesta quinta-feira (12). A função tem descrição genérica e prevê assessoramento do prefeito em suas diversas tarefas.

Ele foi exonerado no final do ano passado após a gestão Doria receber seguidas críticas públicas na área de zeladoria, que sofreu com problemas em varrição de rua, tapamento de buracos, irregularidades na aplicação da lei Cidade Limpa, entre outras. 

Exonerado por Doria, Lepique volta à prefeitura para auxiliar Bruno Covas
Exonerado por Doria, Lepique volta à prefeitura para auxiliar Bruno Covas - Bruno Poletti/Folhapress

Além da questão da limpeza da cidade, Lepique também se desgastou após atritos com homens de confiança do ex-prefeito.

Uma das discussões ocorreu porque Lepique defendia que o shopping 25 fosse mantido fechado. O centro de compras foi lacrado numa operação contra a pirataria que teve o subsecretário como um dos comandantes. Um secretário de Doria pedia a reabertura do local.

Em outro embate, Lepique se irritou quando outro chefe de uma pasta deu sugestões sobre mudanças no sistema de zeladoria, com a implementação de um software para detectar quais as áreas que sofrem mais reclamações nas áreas de limpeza, varrição e conservação de praças. 

A exoneração do aliado de Covas gerou desgaste entre o então vice-prefeito e Doria. Segundo a Folha apurou, Covas ameaçou entregar seu cargo na secretaria de Prefeituras Regionais, disse não ser "vice decorativo" e chegou a afirmar que disputaria eleições contra Doria caso ele não deixasse a prefeitura em 2018.

Em novembro de 2017, Doria ainda tiraria Covas da pasta de Prefeituras Regionais, passando-o para a secretaria da Casa Civil.

Em vídeo de despedida gravado após sua exoneração, Lepique intercalou agradecimentos e ironias a Doria.

"Tem coisas que acontecem contra a nossa vontade. O prefeito João Doria decidiu que a partir da semana que vem eu não serei mais secretário-adjunto de Prefeituras Regionais (...) Tem uma frase que sempre está na minha cabeça, que é do doutor Geraldo Alckmin, que faz uma referência a Santo Agostinho: prefiro os que me criticam porque me corrigem, do que os que me adulam porque me corrompem", disse na ocasião.

A Folha procurou Lepique para tratar do tema, mas não teve retorno do novo secretário-executivo de Covas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.