Descrição de chapéu Mobilidade urbana

Enterro de menino morto em van tem megacarreata e emoção na Grande SP

Ricardo, 10, morreu após van onde estava ser atingida por caminhão

Ricardo dos Santos, morto em acidente entre uma van escolar e um caminhão na Grande SP
Ricardo dos Santos, morto em acidente entre uma van escolar e um caminhão na Grande SP - Reprodução/Facebook
Fabio Pagotto
São Paulo

Uma carreata de vans escolares, muita emoção e aplausos marcaram o enterro do estudante Ricardo Cleto Faverssani dos Santos, 10, morto nesta sexta-feira (13) após um caminhão desgovernado atingir a van escolar em que ele estava, em Carapicuíba (Grande SP).

Outras 12 crianças e quatro adultos ficaram feridos. Os estudantes iam para uma escola municipal de Barueri (Grande SP). O corpo de Ricardo foi enterrado no Cemitério Municipal de Barueri, às 13h30 de sábado (14). Cerca de 250 pessoas acompanharam o funeral, entre familiares, colegas de escola do menino e motoristas e auxiliares de cerca de 80 vans escolares, que fizeram uma carreata até o cemitério.

A Prefeitura de Carapicuíba decretou luto oficial de três dias. O caixão de Ricardo foi coberto com uma bandeira do time do coração dele, o Santos. No momento do enterro, houve uma salva de palmas. A mãe do adolescente, a cabeleireira Viviane Faverssani, 40, afirmou no velório que não acredita que a culpa do acidente tenha sido do motorista da van, que de acordo com o que está no boletim de ocorrência feito no 1º DP de Carapicuíba, tinha parado o veículo na rua “de forma incorreta, atravessada”.

“Acredito que ele [Ricardo] estava de cinto. Havia chegado a hora dele”, disse. A tia do menino, a aposentada Silvana Faverssani, 41 anos, afirmou que a família pretende esperar os laudos da perícia para decidir se entra na Justiça contra os proprietários do caminhão. “Vamos aguardar a conclusão dos laudos. Iremos exigir Justiça, se tiver evidência de que houve negligência”, disse.

Em depoimento à polícia, o motorista do caminhão disse que o veículo ficou sem freios. Segundo o presidente do Sindicato de Transportadores Escolares de Carapicuíba, Adriano César Boato, a carreata foi organizada por redes sociais, como uma homenagem ao estudante. Para ele, o fato de a van estar parada irregularmente não responsabiliza o motorista. “Se ela estivesse parada de outro jeito ou em movimento iria ser atingida pelo caminhão de qualquer maneira”, diz.

Segundo a Polícia Civil de Carapicuíba, os dois motoristas devem ser indiciados por homicídio culposo. O caso foi registrado como lesão corporal culposa e homicídio na direção de veículo. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, das quatro crianças que foram internadas no Hospital Geral de Carapicuíba, uma foi liberada e três estão na UTI, mas estáveis. Dos dois adultos e uma criança que estavam no Hospital Regional de Osasco, apenas um adolescente de 11 anos permanece internado, em estado grave.

O menino de 13 anos levado ao Hospital das Clínicas continua em estado grave.

SANTISTA ROXO

Ricardo era santista roxo e gostava de futebol. Segundo a tia, a aposentada Silvana Faverssani, 41, ele tinha o sonho de se tornar médico. “Tive um descolamento das duas retinas há dois anos e hoje tenho apenas 5% da visão. Ele me ajudava em tudo, inclusive a cuidar do priminho dele, meu filho Luan, de um ano e dez meses”, afirmou Silvana.

“Um dia ele me disse que queria ser médico. Disse que falou aos pais e eles gostaram da ideia, que ele seria um doutor lindo, com aqueles olhos tão azuis dele. Eu falei que era uma profissão que exigia muita dedicação e vocação. Ele respondeu que queria assim mesmo”, contou a tia de Ricardo.

“Ele ia ensinar tudo para o meu filho, era o grande amigo dele. Era uma criança maravilhosa, jogava bola, tinha muitos amigos, era querido por todos, é só ver o tanto de gente que veio ao enterro dele”, contou Silvana.

Segundo a família, Ricardo estava aprendendo a tocar violão, e já distraia o primo Luan, que morava em uma casa no mesmo terreno da dele. “Agora meu filho perdeu o primo que ele amava”, disse Silvana.

Agora

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.