Descrição de chapéu Agora violência polícia civil

Policial reage, e amigo é morto em assalto em bairro nobre de São Paulo

Três homens armados roubaram padaria no Morumbi na noite desta quarta-feira

Ladrão pega celular de cliente durante roubo a padaria no Morumbi, em São Paulo
Ladrão pega celular de cliente durante roubo a padaria no Morumbi, em São Paulo - Reprodução
Martha Alves
São Paulo

Em mais um episódio de policiais em confronto com ladrões, um homem morreu e um policial civil ficou ferido durante assalto a uma padaria na região do Morumbi, bairro nobre na zona oeste de São Paulo, na noite desta quarta-feira (16).

O crime ocorreu na padaria Gato de Ouro, na rua Doutor Luiz Migliano. Segundo um funcionário da padaria, que pediu anonimato, três criminosos chegaram visivelmente nervosos ao local, por volta das 20h. “Eles tremiam tanto que ajudei a pegar a comanda eletrônica na catraca.”

Um dos ladrões se posicionou perto de um forno de pizza e outros dois ficaram no balcão de atendimento. Instantes depois, um dos ladrões sacou uma arma. “Gritou que se tivesse algum policial, era para ele se identificar”, relatou o funcionário.

Neste momento, um investigador do 89º DP, que tomava café com o empresário Alexandre Jorge Müller, e outro colega, sacou sua arma e atirou uma vez. “Um dos suspeitos disparou três vezes contra o policial e o feriu de raspão sob a axila esquerda”, informou o delegado do 89º DP Antônio Sucupira.

Para se proteger, alguns clientes se jogaram no chão, e o policial se escondeu atrás do balcão. Assustado, Müller correu em direção à porta, onde estava um dos ladrões, que o atingiu duas vezes no peito e uma no queixo. Ele ainda foi levado ao Hospital Albert Einstein, mas não resistiu ao ferimento e morreu. 

Os bandidos fugiram em um carro preto, levando a carteira e o celular de um cliente. Também abandonaram na padaria uma mochila, vazia. A polícia investiga se o carro foi guiado por um quarto suspeito.

O investigador ferido, que trabalha no plantão noturno da delegacia que investiga o caso, teve alta nesta quinta (18) e deve depor sobre o caso na sexta-feira (19).

A reportagem esteve na padaria e verificou que, a 500 metros do local, há uma base da PM. O carro usado na fuga foi abandonado a cerca de dois 2 km de distância da padaria.

Veja aqui como civis e policiais devem agir em situações de roubo ​

Casos como esse do Morumbi ganharam atenção nos últimos dias a partir de sábado, em Suzano, na Grande São Paulo, quando a policial Kátia Sastre, 42, de folga, matou um ladrão ao reagir a uma tentativa de assalto na frente da filha. Mães e crianças pequenas aguardavam a abertura dos portões de uma escola particular para uma festa de Dia das Mães, quando foram abordadas pelo assaltante armado. ​

No dia seguinte, diante da repercussão do caso, o governador Márcio França (PSB), que é candidato à reeleição, organizou uma cerimônia para homenageá-la. Reportagem da Folha na ocasião mostrou que França contrariou estratégia da Polícia Militar com a realização do ato.

Isso porque o enaltecimento à reação da policial, com a morte do bandido, poderia passar mensagem equivocada à tropa e à população de incentivo às pessoas reagirem a assaltos —na contramão da orientação da polícia. Outro ponto é que a morte de ladrões possa ser vista pela polícia como algo incentivado pelo governo, após a escalada nos últimos anos do número de mortos pela polícia —alta de 10% em 2017, com 943 casos, recorde desde 2001. Tudo isso mesmo que a atitude da cabo tenha sido correta diante do risco no caso específico.

Minutos após a cabo ser homenageada, um episódio semelhante de reação a assalto envolvendo policial de folga ocorria em uma drogaria em Guarujá, no litoral paulista. O PM a paisana foi perseguido pelo ladrão até surpreendê-lo e atingi-lo com tiros. O assaltante morreu horas depois no hospital.

O assunto permaneceu quente e, em entrevista no interior do estado na segunda-feira (14), o governador manteve o tom e disse que aquele que ofender a farda da Polícia Militar, ofender a integridade policial, está correndo risco de vida. "As pessoas têm que entender que a farda deles [PM] é sagrada, é a extensão da bandeira do estado de São Paulo. Se você ofender a farda, ofender a integralidade do policial, você está correndo risco de vida. É assim que tem que ser", afirmou.

 

As afirmações de França remeteram à declaração do então governador Geraldo Alckmin (PSDB), em 2012, sobre uma ação da PM que terminou com nove mortos no interior de SP. “Quem não reagiu está vivo”, declarou o tucano na ocasião.

Agora
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.