Descrição de chapéu Agora

Mudança em rota estratégica deixa legião de engarrafados na zona leste de SP

Trânsito piorou após ação da prefeitura na av. Celso Garcia, importante ligação com o centro

William Cardoso
São Paulo

Um mês depois de a prefeitura mudar as faixas de tráfego nas avenidas Celso Garcia e Rangel Pestana, uma das principais ligações do centro com a zona leste de São Paulo, passageiros, motoristas de ônibus e de veículos comuns dizem que a situação piorou, com mais trânsito e aumento no tempo de viagem.

Há um mês, a prefeitura trocou a direção de uma das faixas da avenida. Em alguns pontos, a mudança interferiu na circulação dos ônibus, que ficaram impossibilitados de fazer ultrapassagens quando um ou mais coletivos estão parados no ponto. Isso fez o tempo das viagens aumentar, segundo passageiros e motoristas.

Moradores e comerciantes chegaram a criar um abaixo-assinado para tentar reverter a alteração. 

“A situação piorou muito. Gastava 1 hora e 20 minutos da Cidade Tiradentes [zona leste] até aqui e agora são mais de duas horas”, diz Genival José de Melo, 37.

Passageiro de ônibus na hora de chegar e voltar do serviço, ele, que é motorista de um caminhão de entregas, sofre duplamente com o trânsito da região.

“Agora, também não dá para fazer algumas conversões à esquerda. Tenho que ir para o meio do bairro e voltar depois. Tem mais congestionamento”, afirma.

O motorista de ônibus Emerson Barbosa, 42, é outro crítico da mudança. “Não conseguimos mais sair à esquerda, por causa dos carros. Se um ônibus para, todos os outros têm que ficar atrás”, diz. “Agora, estou perdendo uns 20 minutos de viagem só para cruzar esse trecho da avenida”, afirma.

Especialista em engenharia de transportes, Sérgio Ejzenberg afirma que os ônibus perderam mobilidade e também capacidade com a mudança na Celso Garcia.

“Um ponto de ônibus com a possibilidade de ultrapassagem pode duplicar a capacidade de transporte. Em direção ao bairro, ele vai lotando, porque não tem como andar. Fica uma situação muito difícil”, explica.

“Quando se elimina isso, forma-se um ‘trem de ônibus’ que não anda ou anda muito devagar”, afirma.

Segundo Ejzenberg, a criação de um corredor de ônibus na Radial Leste, previsto desde 2011, mas que ainda não saiu do papel, poderia servir para desafogar o trânsito na Celso Garcia. “É algo que teria uma capacidade muito grande, para 40 mil passageiros por hora. Aliviaria até mesmo o metrô [linha 3-vermelha]”, afirma.

A Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes, sob a gestão Bruno Covas (PSDB), diz que a mudança na Celso Garcia tem como objetivo aumentar a segurança para pedestres. Afirma também que houve aumento médio de 20% no tempo dos cruzamentos com semáforos para pedestres, além de nove novos cruzamentos com os equipamentos. Segundo a pasta, eliminar o contrafluxo de ônibus é fundamental para reduzir acidentes.

A secretaria diz ainda que mudança está sendo acompanhada por equipes de trânsito, da SPTrans e também por câmeras. 

Sobre a velocidade média dos ônibus, diz que os dados coletados no mês mostram aumento e uma retomada, desde o início da operação. “De acordo com a necessidade, ajustes pontuais poderão ser feitos para aprimorar a operação e manter as condições de trânsito e a segurança dos usuários da via”, afirma, em nota. 

A secretaria diz que, como em qualquer mudança, é necessário tempo para que a população se acostume.

Agora
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.