Descrição de chapéu Rio de Janeiro

Suspeito de matar a tiros corretora no Rio se entrega à polícia

Homem teria sido contratado por ex-marido de Karina Garofalo

São Paulo

O suspeito de matar a corretora de imóveis Karina Garofalo, 44, se entregou à polícia, na noite desta terça-feira (21). Karina foi assassinada a tiros no último dia 15, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio.

Segundo a Polícia Civil, Paulo Maurício Barros Nunes se entregou à polícia em uma rodovia na cidade de Volta Redonda (RJ). Ele foi levado para a Delegacia de Homicídios da capital fluminense.

Karina Garofalo foi morta a tiros no Rio de Janeiro
Karina Garofalo foi morta a tiros no Rio de Janeiro - Arquivo Pessoal

Paulo é primo do ex-marido da vítima, Pedro Paulo Barros Pereira Júnior, 47, que teria planejado o crime e está foragido. A Folha procurou, mas não localizou as defesas dos suspeitos. Os dois tiveram prisão decretada pela Justiça do Rio.

De acordo com as investigações, o ex-casal brigava na justiça por bens em herança e o homem não aceitava um novo relacionamento dela.

Karina foi morta a tiros na frente do filho de 11 anos quando deixava um shopping e seguia a pé para sua casa, na Barra. Paulo atirou na corretora com uma pistola com silenciador e depois descartou a arma em terreno baldio no mesmo bairro.

De acordo com o delegado da Divisão de Homicídios que investiga o caso, André Barbosa, trata-se de um crime de feminicídio.

Os suspeitos foram identificados a partir da análise das câmeras de segurança da região do crime. As imagens mostram que Karina estava sendo seguida. O rosto de Paulo Maurício aparece nitidamente na câmera de vigilância que monitora a cancela de entrada do estacionamento do shopping.

É possível ver que o carro de marca Renault cor preta é acompanhado por uma motocicleta.

Uma outra câmera flagra o momento em que o carro para próximo da mãe e do filho que voltavam do shopping a pé para casa. O homem salta do carro já de capuz, atravessa a rua e, na imagem de uma segunda câmera, aparece disparando contra a corretora.

O depoimento do filho de Karina foi fundamental para identificar o atirador. Ele teria reconhecido o homem que aparece na cancela do shopping como "o primo do papai". Segundo o jornal o Globo, o menino teria dito em depoimento que "o papai mandou matar a mamãe".

Ainda não se sabe com quem o filho ficará daqui em diante. Karina e Pedro Paulo têm uma outra filha, maior de idade. Segundo a Folha apurou, as famílias de Karina e Pedro Paulo são amigas e relativamente conhecidas em Volta Redonda.

Karina é filha do comerciante Giuseppe Garofalo, conhecido como Pepe, que morreu há dez anos. Pepe era dono de bancas de jornais da cidade. Já a família de Pedro Paulo seria dona de um açougue local.

Ao jornal O Globo, o advogado Edson Ferreira, que defende Pedro Paulo Barros Pereira Júnior, suspeito de ser o mandante do crime, alegou que seu cliente não tem relação com o assassinato. Ele afirmou que não há provas materiais de sua participação. O advogado afirmou que seu cliente estaria "deprimido e desesperado" com as notícias que vinculam seu nome ao caso.

À Globonews, o defensor disse que seu cliente deve se entregar em breve à Polícia Civil do Rio, que investiga o crime, algo que ainda não ocorreu até a publicação desta reportagem.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.