Câmara aprova projeto que aumenta pena de feminicídio cometido com medida protetiva

Texto segue para sanção presidencial; votação é parte de iniciativa para votar pauta feminina na Casa

Angela Boldrini
Brasília

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (28) versão final de projeto que aumenta a pena de feminicídio que seja cometido em descumprimento de uma medida protetiva prevista na Lei Maria da Penha.

O texto agora depende de sanção presidencial. 

O projeto já havia sido aprovado na Câmara, onde começou a tramitação, mas foi alterado no Senado. Lá, os parlamentares retiraram da lei o trecho que permite o aumento de pena em um terço ou metade no caso de descumprimento de medida protetiva de urgência. 

Nesta quarta, a Câmara rejeitou a versão dos senadores e voltou a incluir o artigo.

Pelo Código Penal, são considerados agravantes nos casos de feminicídio hoje se o crime for cometido contra gestante ou até três meses após o parto, contra menores de 14 anos, maiores de 60 anos ou deficientes, ou na presença de parentes da vítima, como filhos ou pais. 

Pelo texto, acrescenta-se também o agravante se a vítima for portadora de doença degenerativa "acarretem condição limitante ou de vulnerabilidade física ou mental".

A votação faz parte de uma iniciativa de votar nesta semana uma pauta feminina na Casa.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.