Gestão Covas faz festival para transferir Natal da Paulista para o centro

Festa terá dez dias de programação com shows e projeções sobre monumentos

Artur Rodrigues Guilherme Seto
São Paulo

A gestão do prefeito Bruno Covas (PSDB) pretende transferir o tradicional Natal da avenida Paulista para o centro antigo de São Paulo, com um festival que envolverá shows, food trucks e iluminação especial.

Chamado de “maior Natal do Brasil” pela Prefeitura de São Paulo, o evento começará no dia 14 de dezembro e se encerrará no dia 23 do mesmo mês. A programação começará no fim do expediente comercial, às 16h —durante dias úteis e domingos, irá até as 22h; nas sextas e sábados, se estenderá até a 0h. 

A decoração da Paulista vem perdendo o brilho nos últimos anos, sem o palco tradicionalmente montado pela prefeitura. Em 2017, quem salvou o Natal na via foram as atrações montadas pelos shoppings.
Para dezembro, o festival natalino da gestão Covas contará com 120 apresentações artísticas, food trucks e feira de artesanato, entre outras atrações.

O objetivo é atrair a população para os calçadões do centro, pouco frequentados durante a noite e os finais de semana, esvaziando assim a habitualmente congestionada avenida Paulista —via que tem uma limitação para a realização de eventos, devido a termo firmado com o Ministério Público de São Paulo.

 

“Quando a gente pensou em fazer o projeto do maior Natal do Brasil, pensamos em uma nova estratégia para o centro histórico. Uma reativação noturna e no final de semana dessa região. O centro histórico tem toda a beleza e o valor cultural e histórico”, afirma o secretário municipal de Turismo, Orlando Faria.

A ideia é que os paulistanos circulem a pé pelos seis pontos com atrações, localizados no quadrilátero formado pelo largo São Bento, Pateo do Collegio, largo São Francisco e praça do Patriarca. A principal novidade na decoração serão as projeções sobre os monumentos. A técnica usada será a de mapeamento de vídeo, em que as projeções sobre superfícies irregulares criam sensação de profundidade e de movimento. Os prédios que receberão projeções serão o edifício Matarazzo (sede da prefeitura),  o mosteiro de São Bento e o Pateo do Collegio. 

Na praça do Patriarca, haverá uma casa do Papai Noel onde as crianças poderão tirar a clássica foto ao estilo dos shoppings. No local também haverá uma árvore de Natal de sete metros de altura.
A programação cultural terá música, teatro, circo e dança. Serão 120 apresentações realizadas por 28 grupos e artistas.

Entre as atrações musicais, os destaques serão as cantoras Luiza Possi —que se apresentará com Ayrton Montarroyos, finalista do programa de TV The Voice Brasil em 2016— e Maria Alcina. Possi e Montarroyos se apresentarão nos dias 19 (às 18h, no Pateo do Collegio), 20 (às 21h, na praça do Patriarca) e 21 (às 21h, no coreto da Bolsa de Valores). Alcina, nos dias 19 (18h, no largo São Francisco) e 23 (19h, na praça do Patriarca).

A atriz e cantora Zezé Motta fará a primeira apresentação do seu show acústico “No Coração do Brasil”, cujo setlist será composto por clássicos da MPB, especialmente do compositor Luiz Melodia (1951-2017). Os shows acontecerão nos dias 15 (19h, na praça do Patriarca) e 16 (às 18h, no largo São Francisco).
Haverá ainda 39 food trucks e food bikes e 40 expositores de artesanato. 

 

Tanto o festival como a estratégia de ocupação do centro marcam mais uma diferença entre Covas e o antecessor João Doria (PSDB). No ano passado, o então prefeito, hoje governador eleito de São Paulo, buscou descentralizar a Virada Cultural, tirando as principais atrações do centro. O resultado foi um esvaziamento de todo o evento, incluindo a região central.

“Durante o dia, 600 mil pessoas passam pelo calçadão do centro. À noite e aos finais de semana, fica vazio. O festival de Natal é uma estratégia para dizer para a população ‘venha à noite’”, diz o secretário Faria. “Há uma sensação de insegurança, mas não [há] falta de segurança de verdade.”

 

O secretário diz que haverá uma operação especial da GCM (Guarda Civil Metropolitana). Além disso, segundo ele, toda a iluminação da região está sendo trocada — as luzes amarelas estão sendo substituídas por brancas e mais potentes, diminuindo os espaços que poderiam gerar mais sensação de perigo.

Faria afirma que espaços culturais e comércios também devem entrar na programação, estendendo seus horários de funcionamento. O Espaço Caixa Cultural e o Centro Cultural Banco do Brasil levarão suas atrações até mais tarde. Os comerciantes prometeram aderir à decoração temática.

A prefeitura investirá cerca de R$ 2 milhões com a infraestrutura do evento, as apresentações artísticas e as projeções de vídeos nas fachadas dos edifícios. A decoração será custeada pela iniciativa privada.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.