Interventor é desautorizado por Temer a conter entrada de venezuelanos em Roraima

Antonio Denarium havia defendido a limitação do ingresso dos estrangeiros no país

Gustavo Uribe
Brasília

O presidente Michel Temer (MDB) desautorizou o governador eleito em Roraima, Antonio Denarium (PSL), sobre a possibilidade de restrição à entrada de imigrantes venezuelanos no Brasil.

No domingo (9), em entrevista à Globonews, o novo interventor federal havia afirmado que faria um trabalho conjunto com o governo federal de limitar o ingresso dos estrangeiros.

O governador eleito de Roraima, Antônio Denarium (PSL) - Avener Prado/Folhapress

Nesta segunda-feira (10), após evento no Palácio do Planalto, o presidente ressaltou que a política de acolhimento aos refugiados será mantida e relatou que transmitiu a informação ao governador eleito.

"Nossa política é de apoio aos refugiados desde o primeiro momento. Nós mandamos transmitir ao interventor ontem essa notícia e ele acordou imediatamente. Ele disse que não há problema nenhum", afirmou.

Segundo Temer,  Denarium disse, durante o contato com o governo federal, que a situação estadual é difícil, mas observou que, nomeado interventor, seguirá as diretrizes fixadas pelo Palácio do Planalto.

Nesta segunda-feira (10), foi publicado decreto nomeando o governador eleito, que terá controle sobre a administração estadual até 31 de dezembro. Até a posse, no dia seguinte, ele estará subordinado à Presidência da República.

Temer disse ainda que há condições do Congresso aprovar a intervenção federal nesta terça-feira (11). Ele ressaltou esperar que a crise estadual seja resolvida em "brevíssimo tempo".

"Eu espero que no menor tempo possível nós possamos mandar recursos para lá e que isso se pacifique", disse.

A medida foi anunciada na sexta-feira (7) para tentar conter a crise no estado, que enfrenta paralisação de servidores da segurança pública, descontrole nas finanças e em presídios e tensão com a presença de imigrantes venezuelanos.

Nesta terça-feira (11), Temer e Denarium devem se reunir em Brasília para tratar detalhes da iniciativa. O futuro governador irá apresentar ao presidente um Plano de Recuperação Fiscal.

Com a intervenção, a atual governadora, Suely Campos (PP), perde os poderes administrativos, mas mantém, de acordo com integrantes do governo, direitos inerentes ao cargo, como remuneração, benefícios e foro especial.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.