Ministério Público pede prisão de João de Deus após relatos de abuso sexual

Pedido ocorre após série de queixas de mulheres contra médium; ele nega as acusações

Daniel Carvalho Marina Estarque
Brasília e São Paulo

O Ministério Público de Goiás pediu a prisão preventiva do médium João Teixeira de Faria, 76, o João de Deus, após a série de acusações de abuso sexual feitas por mulheres nos últimos dias. 

A informação foi antecipada pelo blog de Lauro Jardim, do jornal O Globo, e confirmada pela Folha

Alberto Toron, advogado do médium, confirmou o pedido de prisão preventiva, mas disse que ainda não teve acesso ao documento. "É normal que corra em sigilo até o juiz decidir sobre ele, e ele o faz sem ouvir a defesa. De qualquer modo quero registrar que o senhor João de Deus continua em Abadiânia à disposição da Justiça", afirmou.

Dois promotores foram ao Fórum de Abadiânia (GO)--onde fica a Casa Dom Inácio de Loyola, espécie de hospital espiritual criado pelo médium-- nesta quarta-feira (12) protocolar o pedido.

Uma força-tarefa liderada pela Promotoria de Goiás foi criada para recolher relatos de supostas vítimas e, até terça (11), já havia feito mais de 200 atendimentos, a maioria por email. As Promotorias de São Paulo, Maranhão e Rio de Janeiro também montaram equipes e canais de comunicação específicos para o caso.

Os relatos de 13 mulheres foram feitos inicialmente ao programa Conversa com Bial e ao jornal O Globo. Desde então, outras denúncias surgiram, levando à força-tarefa.

A maioria dos relatos aponta que, uma vez na Casa, as mulheres recebiam um aviso para procurar o médium em seu escritório ao fim das sessões. Lá, ele dizia que elas precisavam de uma "limpeza espiritual". Nesse instante, elas teriam sofrido o abuso.

À Folha, a empresária Aline Saleh, 29, relatou ter sido abusada por João de Deus, em 2013, quando esteve com a avó em Abadiânia, em busca de cura e espiritualidade.

Saleh contou sua história sem medo de registrar sua identidade e seu rosto. "Quem tem de sentir vergonha é ele, e não eu." Seu depoimento é parecido com o da coreógrafa holandesa Zahira Lieneke Mous ao programa de Bial.

Zahira contou que conheceu a Casa, em Abadiânia, em 2014, quando buscava a cura para o trauma de ter sofrido abusos sexuais no passado. Na segunda visita, foi informada que teria uma consulta particular com o médium. "Você se sente especial", relatou.

Ela disse que ele pediu-lhe que ficasse de costas, conduzindo-a para um banheiro. Ali, ele teria colocado as mãos dela no pênis e feito com que se movimentassem. Depois, abriu um armário com pedras preciosas e pediu a Zahira que escolhesse uma delas. Em seguida, ela foi levada novamente ao banheiro, onde João de Deus a teria penetrado.

Até esta quarta-feira, 12 vítimas já haviam prestado depoimento no Ministério Público em São Paulo. Outras 12 oitivas estão agendadas para os próximos dias. Segundo a promotora Valéria Scarance, há ainda 38 que devem ser marcadas até a próxima semana, totalizando cerca de 60 casos.

Os relatos em São Paulo também têm o mesmo padrão. As mulheres eram escolhidas e levadas para uma sala. "Isso fazia com que elas se sentissem especiais e gratas por terem sido escolhidas por um ídolo", afirma Scarance.

Quando algumas se insurgiam contra as investidas, porém, o médium teria feito ameaças. "Dizia que ele era um homem muito poderoso, que elas seriam chamadas de loucas", diz a promotora.

Em 2016, Dalva Teixeira, uma das filhas do médium, afirmou ter sofrido abusos sexuais do pai dos 10 aos 14 anos. A afirmação foi feita em entrevista a uma rádio de Goiânia e exibida pelo Jornal da Record na noite de terça (11).

João de Deus nega e, em 2017, Dalva gravou vídeo em que aparece ao lado do pai rejeitando a acusação que fez anteriormente --segundo advogados, ela teria sido coagida. Procurada nesta semana, ela não comentou.

Nesta quarta, de acordo com o depoimento da ativista social Sabrina Bittencourt à coluna Mônica Bergamo, uma das vítimas do médium cometeu suicídio

"Ela se desesperou quando viu que ele foi trabalhar hoje de manhã", diz a ativista. Sabrina diz que seu advogado a orientou a não divulgar nenhum detalhe sobre a morte. "A família da vítima nunca acreditou nos relatos de abuso. São todos seguidores do médium".

Atendimentos individuais

A Federação Espírita Brasileira divulgou uma nota no sábado (8) condenando atendimentos individuais por curadores, após virem à tona denúncias de abuso sexual de mulheres  contra João de Deus.

Segundo a federação, "o espiritismo orienta que o serviço espiritual não deve ocorrer isoladamente, apenas com a presença do médium e da pessoa assistida". A nota não cita o nome do médium diretamente.

As mulheres afirmam, no entanto, que eram chamadas por João de Deus para consultas individuais na Casa Dom Inácio de Loyola. Elas eram levadas a uma sala adjacente a um banheiro, onde aconteciam os supostos abusos. Outro ponto que se repete é o oferecimento de cristais como presentes.

Ainda de acordo com a nota, a doutrina espírita "não recomenda, portanto, a atividade de médiuns que atuem em trabalho individual, por conta própria. Estes não estão vinculados ao Movimento Espírita, nem seguindo sua orientação".

O espiritismo atua "com o trabalho de caridade material e espiritual desinteressada, sem nenhum propósito a não ser o de auxiliar os necessitados".

Médium das celebridades

O médium João de Deus, que diz fazer cirurgias espirituais através de entidades incorporadas, ostenta longa carteira de pacientes estrelados —de políticos a celebridades, brasileiros e estrangeiros. Da apresentadora americana de TV Oprah Winfrey ao atual presidente da República, Michel Temer (MDB). 

Sua fama mundial começou em 1991, quando a atriz americana Shirley MacLaine —vencedora do Oscar pelo filme “Laços de Ternura” (1983)— tratou um câncer na região abdominal com João Deus. A bilionária apresentadora só ficou sabendo do médium, no entanto, quando entrevistou o psicoterapeuta Wayne Dyer, que afirma ter sido curado de uma leucemia por ele. 

O empresário Marcus Elias, dono da Laep Investments, ex-controladora da Parmalat e da Daslu, é uma das figuras mais próximas de João de Deus. Foi ele quem apresentou ao médium personalidades internacionais como a modelo Naomi Campbell e fez pontes para que os ex-presidentes Lula e Dilma e tantos outros políticos de diferentes matizes ideológicos recebessem tratamento espiritual pelas mãos do homem que fez de Abadiânia (GO) uma Meca de peregrinos.

Gente de todas as classes sociais e dos mais diversos cantos do planeta que batia às portas da Casa de Dom Inácio de Loyola (padre jesuíta cujo espírito João diz incorporar) em busca de milagres e alívio para todos os tipos de males e dores.

Em 2012, Oprah decidiu vir até a cidadezinha de 15 mil habitantes, dividida ao meio pela BR-060, rodovia que liga Goiânia a Brasília, para conhecer o trabalho de alento e cirurgias espirituais. Lá, ela teria meditado, orado e testemunhado as tais cirurgias, na chamada sala da entidade.

Colaboraram UOL e Ricardo Hiar

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.