Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Com reforço policial em Fortaleza, ataques rumam para o interior do Ceará

Ao menos 33 cidades, incluindo a capital, já sofreram algum tipo de ação criminosa

Marcel Rizzo
Fortaleza

O Ceará conviveu com mais uma noite e madrugada de ataques criminosos, o quinto dia de ataques a prédios públicos e privados, ônibus e carros. Após a chegada da Força Nacional de Segurança, no sábado (5), houve diminuição dos atentados em Fortaleza e região metropolitana, mas os criminosos se voltaram para o interior. Ao menos 33 cidades, incluindo a capital, já sofreram algum tipo de ação atribuída a membros de facções criminosas nos últimos dias.

Da noite da última quarta-feira (2) até a manhã desta segunda (7) foram registrados mais de 110 ataques no estado. Nesta última madrugada, uma estação ambiental foi atacada em praia na cidade de Icapuí, no litoral leste. Em Icó, a 360 km de Fortaleza, bandidos atiraram na sede da câmara de vereadores e no imóvel onde fica uma estação de rádio local. Uma ambulância foi incendiada em Reriutaba, 280 km ao norte da capital cearense. Já em Chorozinho, a 90 km, ao menos três estabelecimentos comerciais tiveram as fachadas incendiadas na madrugada e boa parte do comércio amanheceu nesta segunda fechado. 

Em Fortaleza, houve tentativa de incendiar um imóvel onde está um supermercado, na periferia da cidade, mas os seguranças privados do estabelecimento reprimiram a ação. Uma embarcação do Corpo de bombeiros foi incendiada quando estava atracada na Barra do Ceará. Policiais e homens da Força de Segurança estão se dividindo para patrulhar locais estratégicos, como terminais e corredores de ônibus, e sedes das empresas que fornecem energia e água, além de distribuidores de combustível.

A manhã desta segunda amanheceu com muitas filas nos terminais de ônibus em Fortaleza. Segundo nota do Sindiônibus ( Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará) divulgada na noite de domingo (7), 100% da frota estaria disponível para os usuários da capital, depois de 10% circular no final de semana e de 30% na sexta (4), no auge dos ataques. Policiais à paisana fariam a segurança nos coletivos.

A coleta de lixo também voltou a normal, mas com boa parte dos caminhões escoltados. Os 300 homens da Força Nacional enviados pelo governo federal estão concentrados em Fortaleza e região metropolitana, locais onde os criminosos mais atacaram nos primeiros dias. Cem policiais militares enviados pelo governo da Bahia foram distribuídos pelo interior, principalmente para a região Norte do estado que tem cidades importantes como Sobral. 

O envio do reforço policial foi autorizado na sexta (4) pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro. Um dia antes, Moro já havia determinado providências, com a mobilização da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e do Departamento Penitenciário Nacional.

No domingo (6), Moro autorizou a liberação de 60 vagas em presídios federais para líderes das facções cearenses que estão em presídios no estado. Ao menos 20 devem ser transferidos até o final desta semana —até o momento apenas um já deixou o Ceará.

A decisão se deu após pedidos feitos pelo governador Camilo Santana (PT). O ministro sugeriu a formação de um gabinete de crise, com a integração de polícias federais e estaduais. O presidente Jair Bolsonaro (PSL) elogiou a decisão de Moro e disse que o fato de o PT comandar o estado, mesmo sendo oposição ao governo federal, não influenciaria a medida. “Jamais faremos oposição ao povo de qualquer estado e o povo do Ceará precisa neste momento”, afirmou. Moro “foi muito rápido, hábil e eficaz para atender o estado, cujo governador reeleito tem posição radical à nossa (sic).”

Com o reforço, o total de enviados é de 406 homens e 96 viaturas. As primeiras equipes chegaram ao local no sábado (5).

Na tarde desta segunda (7) vários comércios, em diversos bairros de Fortaleza e do interior do estado, fecharam as portas mais cedo.

Locais tradicionais de lojas como a avenida Edilson Brasil Soares, no bairro Sapiranga, e no José Walter, bairro periférico da cidade, anteciparam o fim do expediente após boatos de que membros de facções haviam determinado que os estabelecimentos fechassem senão "tocariam fogo". Dois homens foram presos em Caucaia, na região metropolitana, suspeitos de espalharem a notícia.

HISTÓRICO

Segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança, o Ceará foi, em 2017, o terceiro estado do país com mais mortes violentas. A taxa foi de 59,1 mortos a cada 100 mil habitantes. À frente do estado estiveram apenas Rio Grande do Norte (68) e Acre (63,9). 

Em 2018, segundo dados divulgados pelo estado, houve queda de 10,5% na taxa de homicídios entre janeiro e novembro de 2018, comparado com 2017.

Mesmo assim, no ano passado ocorreu a maior chacina da história do Ceará, com 14 mortos durante uma festa na periferia de Fortaleza, em janeiro, e a morte de seis reféns após ação policial para evitar assalto a dois bancos em Milagres, no interior, em dezembro.

SUSPEITOS PRESOS

Neste final de semana, subiu para 110 o número de suspeitos detidos ou apreendidos por participação nos ataques — 76 presos e 34 adolescentes apreendidos. Na madrugada deste domingo (6), dois suspeitos, ainda não identificados, morreram, após trocarem tiros com a Polícia Militar, no bairro Granja Portugal, ao tentarem atacar um posto do Detran. 

Neste domingo (6), seguiu a operação especial nos ônibus de Fortaleza: apenas 108 dos mais de 1.100 veículos estiveram nas ruas, todos com três policiais militares dentro ao longo de todo o trajeto. 

Até esta segunda, foram presos ou apreendidos 148 suspeitos -- outros 113 que já estão detidos em algumas das penitenciárias locais foram indiciados por distúrbio ou participação nas ordens que levaram aos atentados -- já são mais de 140 ações criminosas em ao menos 37 cidades do Ceará.  

Nos últimos quatro dias, ações ocorreram também em presídios do estado, de onde, segundo investigação da polícia, teriam partido as ordens de membros de facções para os atentados. Foram apreendidos celulares, televisões e drogas. Há possibilidade, inclusive, de revisão da divisão de detentos por presídios com base na facção a que pertencem. 

Os ataques ocorrem depois de Camilo Santana ter anunciado que uma das prioridades de seu segundo mandato será endurecer as regras em presídios, que hoje têm unidades divididas entre facções criminosas: as três mais fortes no estado são o PCC (Primeiro Comando da Capital) e GDE (Guardiões do Estado), que são aliados, e o CV (Comando Vermelho).

O secretário Nacional de Segurança Pública, Guilherme Theophilo, afirmou na última sexta que as ordens dos atos violentos são de dentro dos presídios e têm ligação com brigas entre facções.

O governador do Ceará criou uma secretaria exclusiva para o assunto, a de Administração Penitenciária, e escalou para comandá-la o policial civil e ex-secretário de Justiça do Rio Grande do Norte Luís Mauro Albuquerque e com função também no Departamento Penitenciário Nacional (Depen). 

Na terça (1º), durante a posse dos secretários no Palácio da Abolição, Albuquerque disse que não reconhecia as facções criminosas e que os presídios têm que ser comandados pelo estado, não pelos criminosos— nos últimos meses vídeos de detentos com celulares nas unidades circularam pela internet.

Em sua primeira entrevista como ministro, Moro disse é preciso retomar o controle das penitenciárias do país. 

“Pretendo que o departamento Penitenciário (Depen) incremente qualidade nas penitenciárias para absoluto controle das comunicações das lideranças de organizações criminosas com o mundo exterior.

Precisamos com investimento e inteligência recuperar o controle do Estado sobre as prisões brasileiras”, disse.

Colaborou Camila Mattoso

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.