Descrição de chapéu Tragédia em Brumadinho

Dona da pousada Nova Estância Inn é sepultada em Belo Horizonte

Marido e filho de Cleo Mascarenhas ainda estão desaparecidos após tragédia em Brumadinho

Flávia Carneiro
Belo Horizonte

​Comoção, tristeza e revolta marcaram o sepultamento de Cleosane Coelho Mascarenhas, 58, uma das vítimas do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho. Cleo era dona da Pousada Nova Estância, no Córrego do Feijão, completamente destruída pelo mar de lama

O sepultamento, no Cemitério do Bonfim, região noroeste de Belo Horizonte, durou cerca de uma hora. 

Familiares acenderam velas e colocaram fotos de Cleo, de seu marido, Márcio Mascarenhas e do filho, Márcio Paulo Coelho Mascarenhas, que estavam na Pousada, mas continuam desaparecidos. 

Cleosane Coelho Mascarenhas, 58, uma das vítima do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho é sepultada em Belo Horizonte
Cleosane Coelho Mascarenhas, 58, uma das vítima do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho é sepultada em Belo Horizonte - Flávia Carneiro/Folhapress

Walisson Matos, 43, trabalhava com a família há 17 anos. "No dia da tragédia, saí da pousada dez minutos antes do estouro da barragem e deixei meu patrões dormindo no quarto. O Marcinho, filho deles, estava na sala vendo TV", disse.

"A Cléo era uma pessoa maravilhosa, que gostava de ajudar aos outros. Era madrinha de batismo da minha filha de oito anos, que está muito triste com a situação", completou o funcionário da família. O velório foi realizado sem corpo presente.

Walisson Matos, de 43 anos, lamenta a morte da patroa, Cleosane Coelho Mascarenhas, uma das vítimas da tragédia em Brumadinho
Walisson Matos, de 43 anos, lamenta a morte da patroa, Cleosane Coelho Mascarenhas, uma das vítimas da tragédia em Brumadinho - Flávio Carneiro/Folhapress

Durante o sepultamento, um padre da igreja católica emocionou a todos os presentes quando disse que "a vida não termina agora, ela apenas se transforma".

Paulo Mascarenhas, outro filho do casal, que não estava na pousada no momento da catástrofe, disse acreditar que sua mãe esteja feliz em companhia de seu pai e irmão. Os corpos dos dois ainda não foram localizados. 

"Vou pedir a compreensão de todos quando a briga começar. A ganância não pode prevalecer sobre a vida. Vamos começar uma luta de amor, pela paz, pois o que aconteceu em Brumadinho não pode se repetir. Será uma luta de todos nós para honrar o nome da minha família", completou Paulo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.