Flagrados por câmeras, policiais são presos após homicídio em SP

Imagens mostram momento que um dos policiais mata a tiros adolescente já rendido

Ricardo Hiar Rogério Pagnan
São Paulo

Dois policiais militares foram presos em Osasco (Grande SP) na segunda-feira (31), depois que a versão deles sobre um homicídio foi desmentida a partir da análise de câmeras de segurança. 

A dupla é suspeita de criar novos fatos no depoimento para justificar a morte a tiros de um adolescente no canteiro central da rodovia Castello Branco, na altura do km 16. Mike Fritz Oliveira Gouveia, 25, que estava com o colega de trabalho Fabio Luciano Silva, 48, foi quem efetuou o disparo contra a vítima. A dupla atua no patrulhamento com motocicletas.

Câmera flagra homem sendo morto a tiros por PM em estrada de SP
Câmera flagra homem sendo morto a tiros por PM em estrada de SP - Reprodução

Segundo registrado em boletim de ocorrência, os policiais estavam em patrulhamento quando avistaram três indivíduos em uma praça pública por volta das 17h. Em depoimento, eles disseram que, quando foram abordar o grupo, dois deles fugiram. O terceiro indivíduo, que também teria escapado da abordagem policial, correu em direção à rodovia. 

De acordo com os PMs, depois de atravessar a via local e a expressa no sentido interior, esse homem fez disparos contra eles. O policial Mike teria revidado e acertado o indivíduo com um tiro. Ele chegou a ser socorrido e levado a um hospital, mas não resistiu. A vítima foi identificada pelo IML de Osasco como sendo Thiago Celso Silva, de 17 anos. O corpo foi retirado pela família no dia 1º.

No dia da ocorrência, além de criarem essa versão para o depoimento, os policiais entregaram na delegacia uma suposta prova, que era uma arma .22, que estaria em posse do suspeito morto na alegada troca de tiros.

A equipe de investigação, no entanto, descobriu que a história real não era a versão contada pelos policiais. Após solicitar e analisar as imagens de segurança da rodovia ficou constatado que havia participação direta dos policiais na morte da vítima.

Num dos trechos da gravação é possível ver que um dos policiais militares está com o indivíduo rendido, e a situação está controlada. 

Por quase três minutos o agente conduz o capturado pelo canteiro central. Pelas imagens câmeras, ele aparentemente estava desarmado.

Em determinado momento do vídeo o outro policial aparece e, mesmo atrás de uma grade de proteção, desfere socos no homem. Após outras agressões, o indivíduo cai no chão e, segundos depois, recebe um tiro a uma distância inferior a um metro. 

Um inquérito foi aberto para apurar o caso, e os dois policiais foram presos em flagrante. Eles estão agora à disposição da Corregedoria da Polícia Militar.

O delegado Otavio Pereira Alvariz, que registrou o caso, afirmou que os envolvidos são "policiais militares e, segundo apurado, praticaram crimes no exercício da função pública —homicídio qualificado, denunciação caluniosa e fraude processual". 

Para ele, o crime é doloso e qualificado pelo motivo torpe e impossibilidade da defesa da vítima. Segundo o delegado, esse foi um dos motivos para o pedido da prisão preventiva.

Segundo registrado no boletim, confrontados sobre a diferença entre seus depoimentos e os fatos registrados pelas câmeras, os dois policiais militares afirmaram que só vão se pronunciar em juízo. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.