Grande Fortaleza tem série de ataques criminosos com ônibus queimado e explosão

Ações podem ser retaliação às mudanças na administração dos presídios no estado

Marcel Rizzo
Fortaleza

Uma série de ataques de criminosos entre a noite de quarta (2) e a madrugada desta quinta (3) na região metropolitana de Fortaleza deixou ônibus e vans queimados e abalou estrutura de um viaduto na rodovia que liga a capital cearense a Brasília. A polícia investiga se há ligação entre as ações e se podem estar ligadas às mudanças anunciadas pelo governo estadual para a administração de presídios no segundo mandato de Camilo Santana (PT).

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social informou que sete adultos foram presos e outros quatro adolescentes apreendidos por suspeita de envolvimento nos incêndios a veículos e danos ao patrimônio público. Uma décima segunda pessoa também foi conduzida para uma delegacia de Polícia Civil, onde foi ouvida e sua participação nos crimes continua sob investigação.

Segundo o Sindionibus, são nove ônibus atacados e uma van —​em um desses ataques, dois idosos e o motorista tiveram ferimentos leves. ​​A frota na tarde desta quinta está reduzida e algumas linhas, consideradas mais críticas, estão com escolta policial. 

No início da tarde, Camilo Santana informou que solicitou ao Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, o auxílio de homens da Força Nacional de Segurança, do Exército e da Força de Intervenção Integrada. Ele ainda disse que vai nomear imediatamente uma turma de 220 agentes penitenciários, algo que estava previsto somente para março, e a nomeação de 373 policiais militares já formados para atuarem nas ruas.

"Conversei por telefone, hoje pela manhã, com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, que se colocou à inteira disposição para o apoio necessário, e a quem agradeço. Entendo que o crime organizado ultrapassou as divisas dos estados e que, somente com a ação conjunta dos estados com o Governo Federal, iremos vencer esse desafio", escreveu Santana, em nota. No discurso de posse do segundo mandato, na terça (1), ele já havia cobrado participação do Governo Federal no combate ao crime organizado citando a necessidade de maior controle das fronteiras para evitar o tráfico de armas. 

No meio da madrugada uma forte explosão assustou moradores de Caucaia próximo a um viaduto que passa pela BR-020, estrada que liga Fortaleza a importantes cidades do interior, como Canindé, e a Brasília. No local foram encontrados explosivos e parte da estrutura foi afetada. Não há relatos de feridos.

Por medida de segurança, o viaduto foi interditado nos dois sentidos pela Polícia Rodoviária Federal. Engenheiros do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) avaliaram a situação e riscos da estrutura, mas ainda não há laudo. O trânsito está sendo desviado, o que está gerando muitas filas de carros no local. Ainda em Caucaia uma van que faz transporte público foi incendiada.

 

Em Fortaleza houve ataque a cinco ônibus ao menos, incendiados nos bairros Edson Queiroz, Jardim Castelão, Messejana, e dois na avenida Cônego de Castro, todos na região periférica da cidade. Radares de trânsito em ao menos duas avenidas e câmeras de segurança também foram danificados. Em um dos locais, duas casas acabaram sendo atingidas pelos fogos, mas não houve feridos com gravidade.

Disparos de arma de fogo foram efetuados contra a porta de uma agência bancária, no bairro Otávio Bonfim. E no bairro Damas, um artefato de fabricação caseira foi arremessado contra um posto de combustíveis. Um funcionário conseguiu apagar as chamas e ninguém ficou ferido durante a ação.

Em Horizonte, na região metropolitana, uma bomba caseira foi atirada no pátio onde estavam carros no Demutran (Departamento Municipal de Trânsito) queimando seis veículos de uso municipal.

Os ataques ocorrem depois de Camilo Santana anunciar que uma das prioridades de seu segundo mandato será endurecer as regras em presídios, que hoje têm unidades divididas entre facções criminosas: as três mais fortes no estado são o PCC (Primeiro Comando da Capital) e GDE (Guardiões do Estado), que são aliados, e o CV (Comando Vermelho). No fim da manhã, uma tentativa de rebelião foi frustrada  na Casa de Privação Provisória de Liberdade (CPPL) 3, no Complexo Penitenciário de Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza. Ali ficam na maioria presos ligados ao PCC e houve revolta com a presença de autoridades em busca de celulares.  ​

Santana criou uma secretaria exclusiva para o assunto, a de Administração Penitenciária, e escalou para comandá-la o policial civil e ex-secretário de Justiça do Rio Grande do Norte Luís Mauro Albuquerque. Na terça (1º), durante a posse dos secretários no Palácio da Abolição, Albuquerque disse que não reconhecia as facções criminosas e que os presídios têm que ser comandados pelo estado, não pelos criminosos — nos últimos meses vídeos de detentos com celulares nas unidades circularam pela internet.

Há possibilidade, inclusive, de revisão da divisão de detentos por presídios com base na facção a que pertencem, o que pode ter desencadeado ordens para as ações realizadas por bandidos nas últimas horas. 

Segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança, o Ceará foi, em 2017, o terceiro estado do país com mais mortes violentas. A taxa foi de 59,1 mortos a cada 100 mil habitantes. À frente do estado estiveram apenas Rio Grande do Norte (68) e Acre (63,9). 

Em 2018, segundo dados divulgados pelo estado, houve queda de 10,5% na taxa de homicídios entre janeiro e novembro de 2018, comparado com 2017. Mesmo assim, no ano passado ocorreu a maior chacina da história do Ceará, com 14 mortos durante uma festa na periferia de Fortaleza, em janeiro, e a morte de seis reféns após ação policial para evitar assalto a dois bancos em Milagres, no interior, em dezembro.

Ministério da Justiça

O ministro da Justiça, Sergio Moro, determinou providências para auxiliar o Ceará a combater atos de violência ocorridos nesta quinta. 

De acordo com nota da assessoria de imprensa da pasta, Moro solicitou mobilização da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e do Departamento Penitenciário Nacional. 

A decisão visa dar apoio imediato, após solicitação feita pelo governador Camilo Santana (PT).

Ainda segundo a equipe de comunicação da Justiça, os órgãos atuarão na investigação e repressão aos crimes registrados, incluindo a disponibilização de vagas no sistema penitenciário federal. 

O ministro sugeriu também a formação de um gabinete de crise, com a integração de policias federais e estaduais.

A Força Nacional foi mobilizada para se deslocar ao estado em caso de deterioração da segurança.

Uma série de ataques de criminosos entre a noite de quarta (02) e a madrugada desta quinta na região metropolitana de Fortaleza deixou ônibus e vans queimados e abalou estrutura de um viaduto na rodovia que liga a capital cearense a Brasília. 

A polícia investiga se há ligação entre as ações e se podem estar ligadas às mudanças anunciadas pelo governo estadual para a administração de presídios no segundo mandato de Camilo Santana (PT).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.