Descrição de chapéu Obituário Raimundo Brito (1951 - 2018)

Mortes: Romântico e fã do rei, cantor foi Roberto Carlos de Santarém

Ray Brito gravou dezenas de discos com músicas do ídolo e sobre a cidade

Fernanda Canofre
São Paulo

Ray Brito foi chamado para cantar na festa junina de uma escola de Santarém. Montou seu teclado, improvisou o pedestal do microfone com um cabo de vassoura e fita adesiva, e soltou a voz. Todo lugar era palco quando ele sentia a hora de entrar no show. 

Nascido em Santarém, uma das cidades mais antigas da Amazônia, filho de um comandante de barcos que navegava pelo rio Tapajós e de uma dona de casa, Raimundo sempre quis cantar. Com 14 anos, participava de shows de calouros pela região, sempre imitando seu ídolo, o cantor Roberto Carlos. 

Aos 20, se juntou ao conjunto “Os Hippies”, que viajava pelo Pará cantando músicas no estilo de lambada e fazendo serestas. Perto dos 30, ele começou a carreira solo, com o nome artístico de Ray Brito. 

Cantando, viajou por Belém, Fortaleza, Rio de Janeiro. Em terras cariocas, teve um encontro rápido com o rei. Ele conhecia a história de Roberto Carlos de cor. Até ganhou concurso provando. Durante as quatro décadas de carreira, Ray sempre abriu seus shows com “Emoções” ou “Detalhes” e com a frase clássica: “são tantas emoções”. 

Mas, o repertório também incluía canções de amor, especialmente a Santarém. Em várias letras, Ray lembrava o céu colorido onde soltava pipas na infância, da Praça da Matriz e do cais do porto. 

No dia 22 de dezembro, a cidade parou para se despedir de seu cantor. Ray morreu aos 67 anos, no dia 20, de um infarto fulminante. “Incrível o carinho que o povo tinha pelo meu irmão, as rádios tocaram o dia todo músicas dele sobre a terra de Santarém”, conta Sandra. 

Na cidade, ele se lançou como ator, no curta-metragem "Covato" (2018), e foi eleito para ocupar a cadeira 33 da Academia de Letras e Artes. Ray deixou duas irmãs, sete filhos e netos. 

“Meu pai vivia para cantar. Para ele, subir num palco era uma emoção imensa, que só vendo o rosto dele para ver. Era uma energia muito boa”, diz a filha Rayça. 


coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas​​


Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.